Novas tabelas da ADSE foram publicadas com imprecisões

  • Marta Santos Silva
  • 6 Março 2018

A associação que representa os hospitais privados já entrou em contacto com a administração da ADSE, que reconheceu os erros e deverá revê-los nos próximos dias.

A Associação Portuguesa da Hospitalização Privada (APHP), que junta os hospitais privados portugueses, afirmou em comunicado que algumas das alterações às tabelas de preços e regras da ADSE, que foram publicadas, atualizadas, no site do subsistema de saúde para entrarem em vigor a 1 de abril, contêm erros. A APHP “confia na retificação” dessas tabelas.

Num comunicado enviado às redações, a APHP escreve que a ADSE reconheceu que a tabela publicada “contém erros e imprecisões que carecem de revisão nos próximos dias”, numa reunião realizada ontem, segunda-feira.

“Na sequência de reunião realizada ontem, foi reiterada a necessidade de rever as temáticas que não foram objeto de negociação ou sobre as quais já havia sido manifestado um desacordo de princípio por parte dos hospitais privados“, lê-se ainda no texto da APHP, que conclui que, quando forem feitas as retificações necessárias, o processo negocial será encerrado.

A APHP e a ADSE têm estado em negociações desde janeiro, quando o subsistema de saúde manifestou a vontade de introduzir novas tabelas de pagamentos aos hospitais privados que colocavam limites de preços em certos tratamentos e procedimentos, incluindo na venda de medicamentos, alegando que existiam casos de fraude em que os preços cobrados eram excessivos por não existirem tetos. Entre a APHP e a ADSE, em conversações, as tabelas foram ajustadas nos últimos meses e deverão entrar em vigor a 1 de abril.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novas tabelas da ADSE foram publicadas com imprecisões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião