Moody’s avisa Itália: direção económica será “chave”

  • Lusa
  • 7 Março 2018

"Uma estratégia credível para trazer o elevado rácio da dívida pública para uma tendência descendente clara será positiva para a trajetória do crédito italiano", diz a agência de notação financeira.

A agência de notação financeira Moody’s considera que a estratégia do próximo Governo italiano para fazer descer o rácio da dívida pública e lançar reformas estruturais serão determinantes para a avaliação da qualidade do crédito.

A direção económica e a política orçamental do próximo Governo, que agora vai surgir ao longo dos próximos meses, serão a chave para a avaliação sobre a qualidade do crédito de Itália“, escrevem os analistas da Moody’s num comentário aos resultados eleitorais italianos. A Moody’s escreve também que “o outro foco está em saber se uma agenda de reformas estruturais vai emergir de um novo Governo”.

Na nota divulgada na sequência das eleições de domingo, a Moody’s enfatiza que “uma estratégia credível para trazer o elevado rácio da dívida pública para uma tendência descendente clara será positiva para a trajetória do crédito italiano, ao passo que a falta de uma política orçamental deste género colocaria a Itália numa rota de colisão com a União Europeia“. Para os analistas desta agência de ‘rating’, “mais que a exata composição do novo Governo, as suas políticas económicas serão a chave para determinar o perfil de crédito da Itália”, atualmente em Baa2 com Perspetiva de Evolução Negativa.

As forças políticas conhecidas como antissistema, eurocéticas e de extrema-direita alcançaram uma votação histórica nas eleições legislativas italianas de domingo: o Movimento 5 Estrelas (M5S, populista) tornou-se no partido mais votado com cerca de 32,6% dos votos, enquanto a coligação formada pela Forza Italia (FI, direita) do antigo primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi e a Liga de Matteo Salvini (extrema-direita) obteve 37%.

No entanto, no seio desta coligação, a Liga, a formação eurocética e anti-imigração de Salvini, conseguiu superar significativamente a Forza Italia de Berlusconi, 17,4% contra 14%. Tanto o M5S como a Liga reivindicaram hoje o direito de formar Governo, excluindo qualquer aliança “eurocética” entre as formações políticas. Uma vez que nenhuma das forças obteve uma maioria absoluta parlamentar, os líderes políticos vão ser forçados a negociar e antevê-se um período longo e complexo que pode durar meses. Esta situação naquela que é a terceira economia da zona euro deixa na expectativa toda a Europa, nomeadamente os parceiros na União Europeia (UE).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s avisa Itália: direção económica será “chave”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião