Dados do emprego animam Wall Street

Os Estados Unidos criaram 313 mil postos de trabalho em fevereiro, o valor mais alto do último ano e meio. Bolsas, moeda e matérias-primas seguem a valorizar.

As bolsas norte-americanas abriram a última sessão da semana em alta, impulsionada pelos dados mais recentes do mercado de trabalho, que dão conta de números que ficaram muito acima das expectativas.

O índice de referência S&P 50 está a valorizar 0,64%, para os 2.756,25 pontos. Já o industrial Dow Jones segue a subir 0,768% e voltou a ultrapassar a barreira dos 25 mil pontos, ao negociar nos 25.065,02 pontos. O Nasdaq avança 0,65%, para os 7.476,59 pontos.

A acompanhar os ganhos está também o petróleo. O West Texas Intermediate (WTI), cotado em Nova Iorque, segue a valorizar mais de 1% e aproxima-se dos 61 dólares por barril. O dólar, por seu lado, também soma mais uma sessão positiva, ao valorizar 0,15% contra o euro. A moeda única já está, assim, a valer 1.22 dólares.

Estes movimentos acontecem depois de as autoridades norte-americanas terem reportado a criação de 313 mil postos de trabalho no mês de fevereiro, o maior aumento no espaço de um ano e meio e um número que superou as expectativas dos economistas e que animou os investidores.

Já a taxa de desemprego manteve-se inalterada nos 4,1%, o que fica a dever-se ao facto de a taxa de emprego ter aumentado para 63%. Em sentido contrário, o aumento dos salários está a abrandar, com uma subida de 2,6% em fevereiro, inferior à subida de 2,8% registada no mês anterior.

São dados “inacreditavelmente sólidos”, considera Chad Stone, economista do Center on Budget and Polic Priorities, citado pelo MarketWatch. Paul Ashworth, Capital Economics, comenta que estes números “ilustram que a economia está muito melhor do que os dados recentes da atividade económica sugeriam”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dados do emprego animam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião