Falhas na Ponte 25 de Abril são conhecidas há oito anos

  • ECO
  • 9 Março 2018

A equipa local de manutenção já tinha identificado as fissuras na ponte sobre o Tejo, que foram aumentando de tamanho. As obras foram recomendadas há já dois anos.

Há oito anos que são conhecidas as fissuras na Ponte 25 de Abril, para a correção das quais só esta semana foi aberto concurso público. De acordo com o Diário de Notícias, o engenheiro e projetista Tiago Abecasis confirmou que em 2016 na altura da avaliação feita pela empresa norte-americana Parsons, em cuja equipa participou, as fissuras já estavam presentes, tendo entretanto aumentado de comprimento.

A Infraestruturas de Portugal anunciou esta quarta-feira o concurso público internacional para a manutenção da ponte, com um custo previsto de 18 milhões de euros. O Laboratório Nacional de Engenharia Civil submetera, em fevereiro, um relatório ao Governo que pedia obras urgentes na ponte sobre o Tejo para corrigir as fissuras, embora o presidente do conselho diretivo do laboratório, Carlos Pina, já tenha confirmado que a ponte “está e estará segura”.

Perante críticas e acusações de atraso na aprovação das obras, o Ministério das Finanças esclareceu ontem, quinta-feira, que as verbas para estas obras já estavam previstas no Orçamento do Estado para 2018.

O Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) tem uma equipa em permanência na Ponte 25 de Abril que identificou as fissuras pelo menos desde 2010, explicou ao DN Tiago Abecasis, produzindo relatórios mensais sobre as fissuras que “todos os meses estão a aumentar de comprimento”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Falhas na Ponte 25 de Abril são conhecidas há oito anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião