Acordo com o Governo falha. Professores mantêm greve

  • Lusa
  • 12 Março 2018

O desacordo com o Governo sobre o tempo de serviço dos professores que deve ser descongelado persiste. Professores vão mesmo para a greve de 13 a 16 de março.

Os sindicatos de professores decidiram esta segunda-feira manter a greve com início marcado para terça-feira, depois de permanecer inalterado o desacordo com o Governo sobre o tempo de serviço dos professores que deve ser descongelado.

O Governo voltou a apresentar hoje aos sindicatos a mesma proposta que já tinha divulgado numa reunião negocial anterior, que apenas admite o descongelamento de dois anos e dez meses de tempo de serviço aos docentes, que não desistem, por seu lado, de ver contabilizados os nove anos, quatro meses e dois dias congelados.

Os líderes das duas federações sindicais da educação saíram da reunião de hoje a insistir que a proposta da tutela “é inaceitável” e que justifica a greve entre os dias 13 e 16 de março.

A reunião, juntou os ministérios da Educação, representado pela secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão e das Finanças, representado pela secretária de Estado da Administração e do Emprego Público, Fátima Fonseca, as duas grandes federações sindicais da educação (FNE e Fenprof) e outros oito sindicatos mais pequenos.

Os sindicatos faziam depender dos resultados da reunião de hoje uma eventual desconvocação da greve, exigindo que a tutela recue nos termos da proposta que até ao momento não devolve os mais de nove anos de tempo de serviço reclamados pelos docentes.

A greve arranca a 13 de março, terça-feira, na região da grande Lisboa (Lisboa, Setúbal e Santarém) e região autónoma da Madeira e termina a 16 de março, sexta-feira, dia em que os professores paralisam na região norte (Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança) e na região autónoma dos Açores. No dia 14 a greve concentra-se na região centro (Coimbra, Viseu, Aveiro, Leiria, Guarda e Castelo Branco) e no dia 15 fixa-se no sul do continente (Évora, Portalegre, Beja e Faro).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acordo com o Governo falha. Professores mantêm greve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião