Investidores temem impostos de Trump sobre aço e alumínio. Wall Street recua

O Nasdaq valorizou, mas o S&P500 e o Dow Jones recuaram esta segunda-feira. Investidores temem guerra comercial EUA-Europa e que os impostos de Trump venham a fazer mais mal do que bem à economia.

As bolsas em Wall Street fecharam em terreno misto, numa sessão em que dois dos principais índices registaram perdas e o índice tecnológico valorizou. Foi ainda um dia em que o índice industrial esteve sob especial pressão. As empresas norte-americanas do Dow Jones assistiram a perdas expressivas esta segunda-feira, com os receios dos investidores face aos novos impostos protecionistas que o Presidente Donald Trump quer implementar, nomeadamente nas importações de aço e alumínio.

Neste contexto, o S&P 500 recuou 0,11% para 2.783,64 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq avançou 0,38% para 7.589,28 pontos. Já o Dow Jones, à semelhança do índice de referência, caiu 0,61% para 25.182,08 pontos, numa sessão que também ficou marcada por novas quedas nos preços do petróleo. O preço do barril de crude caía cerca de 0,82% para 64,95 dólares perto da hora de fecho das bolsas, fator que também pressionou o índice industrial.

Ainda assim, de acordo com a Reuters, o sentido tomado pelo Dow Jones é, sobretudo, explicado com as novas taxas que Donald Trump se prepara para implementar nas importações de aço e alumínio. Por um lado, não só os investidores temem uma guerra comercial com a Europa e o Japão como, por outro, receiam que a medida represente um aumento de custos para as empresas e penalize as exportações. Entre as principais quedas registadas durante a sessão estiveram as da Boeing e da Caterpillar: ambas registaram desvalorizações acima de 2%.

A travar as perdas em dois dos índices terão estado notícias de que Larry Kudlow estará bem posicionado para substituir Gary Cohn na posição de conselheiro económico da Casa Branca. Os investidores veem Kudlow como um nome mais favorável ao livre comércio do que outros conselheiros do Presidente dos Estados Unidos. Além disso, o Departamento do Trabalho divulgou dados da empregabilidade na passada sexta-feira, que apontam para que a economia norte-americana tenha criado 313.000 empregos na semana. O dado foi interpretado como indicador de maior solidez por parte da maior economia do mundo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investidores temem impostos de Trump sobre aço e alumínio. Wall Street recua

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião