Exportações ainda crescem menos que importações em janeiro

  • Marta Santos Silva e Lusa
  • 12 Março 2018

Portugal exportou mais 9,6% no arranque do ano 2018 do que um ano antes, em janeiro de 2017. As importações, no entanto, também aceleraram: aumentaram 12,4%, resultando numa balança deficitária.

As importações cresceram mais do que as exportações em janeiro de 2018, arrancando o ano com uma aceleração em cadeia relativamente a um mês de dezembro bastante lento. Em termos homólogos, as exportações portuguesas de bens aumentaram 9,6%, enquanto as importações aceleraram 12,4%, relativamente ao primeiro mês de 2017.

O Instituto Nacional de Estatística divulgou esta segunda-feira as estatísticas do comércio internacional relativas ao primeiro mês do ano, e o défice comercial de bens piorou 245 milhões de euros face ao mês homólogo, atingindo os 1.249 milhões de euros. De fora ficam os serviços, onde se inclui o turismo.

“Excluindo os Combustíveis e lubrificantes a balança comercial atingiu um saldo negativo de 742 milhões de euros, correspondente a um aumento do défice de 132 milhões de euros em relação ao mesmo mês de 2017”, lê-se ainda no comunicado do INE.

Crescimento homólogo das exportações e importações

Dados: INE

Olhando para os dados trimestrais, a diferença entre exportações e importações é bem mais estreita. No trimestre entre novembro e janeiro de 2018, as exportações aumentaram 7,3% e as importações 7,4%, em relação ao mesmo trimestre um ano antes.

Janeiro segue-se assim, apesar de um mês de dezembro lento, ao ano com mais exportações, tanto em volume como em peso no PIB, como já previa o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral. No entanto, 2017 também viu uma “acentuada aceleração” das importações, o que resultou num défice comercial de bens de 13,8 mil milhões no fechar do ano.

Crescimento das exportações mostra “bom momento” de Portugal

Na reação a estes resultados, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, considera que estes demonstram o “bom momento” que Portugal atravessa em termos de competitividade.

À saída de um Conselho de Ministros da Competitividade da União Europeia, em Bruxelas, o ministro referiu que houve “um crescimento acima do crescimento verificado nos três últimos trimestres, o que significa uma aceleração”, que o Governo espera que continue.

Foi uma aceleração muito forte, com um crescimento muito forte em setores como o setor do automóvel e dos componentes automóveis, que viram um forte crescimento das exportações para o mercado da União Europeia, mas também para os mercados globais. Mas foi um crescimento também muito forte em setores como o setor agroalimentar, com um crescimento de 15,6%, ou o setor das máquinas, que cresceu mais de 10% face a igual período do ano passado”, notou.

Segundo o ministro da Economia, “isto significa que as exportações portuguesas continuam a mostrar-se muito competitivas e a crescer”, até porque no ano passado Portugal já registou “um crescimento também muito forte das exportações, e um crescimento em que os Estados Unidos, o Brasil, Angola voltaram a ter um peso importante”.

Notícia atualizada às 16h56 com comentários do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exportações ainda crescem menos que importações em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião