Lucros do grupo Volkswagen duplicam para 11,6 mil milhões de euros em 2017

Os lucros líquidos do grupo alemão duplicaram em 2017 para 11,6 mil milhões de euros. Até 2025, a Volkswagen pretende fabricar três milhões de carros elétricos por ano e construir 16 fábricas.

O ano passado foi positivo para o grupo Volkswagen, pelo menos no que toca a lucros. A empresa de automóveis duplicou os lucros líquidos, arrecadando 11,6 mil milhões de euros, um valor bastante acima dos 5,379 mil milhões conseguidos em 2016. Este desempenho deveu-se, principalmente, à reforma fiscal do Estados Unidos, que incluiu uma redução dos impostos.

As vendas da multinacional Volkswagen em todo o mundo mantiveram a mesma tendência dos lucros e bateram um recorde de 10,7 milhões de euros, mantendo a marca alemã no top de vendas do setor automóvel, de acordo com o Expansión (conteúdo em espanhol), e a faturação aumentou para os 230,7 mil milhões de euros. No entanto, em termos de margem operacional, esta manteve-se nos 6,2% devido aos 3,2 mil milhões de euros gastos em acordos judiciais no escândalo dos dieselgate.

Para este ano, a Volkswagen tem uma perspetiva mais “prudente”, escreve o jornal espanhol. O grupo alemão espera um ano com uma evolução mais moderada em termos de vendas, em parte devido às incertezas geradas pela situação política global, pelas mudanças nos regulamentos, pela volatilidade de algumas moedas e pela procura por automóveis a diesel. É ainda esperado um aumento no volume de negócios a rondar os 5% e uma margem operacional entre 6,5% e 7,5%.

Três milhões de carros elétricos por ano

Após a divulgação destes resultados, a marca fez ainda saber esta terça-feira que pretende construir três milhões de carros elétricos por ano a partir de 2025, de acordo com a Bloomberg (conteúdo em inglês). No entanto, há um problema: as baterias. De maneira a garantir que estas componentes não prejudicam a produção destes veículos, a Volkswagen assinou um contrato de 25 mil milhões de dólares (20,2 mil milhões de euros) com empresas que fornecem baterias na Europa e na China.

Mas os desejos não ficam por aqui. Até 2020, a empresa pretende construir 16 fábricas para a produção destes carros elétricos, um valor bastante superior ao que atualmente tem: apenas três fábricas.

Volkswagen Nils, um carro elétrico apresentado pela marca no Frankfurt Motor Show, em 2011Wikimedia Commons

 

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Lucros do grupo Volkswagen duplicam para 11,6 mil milhões de euros em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião