Portugal paga juro de 2,8% por dívida a 27 anos

Portugal levantou 1.250 milhões em dívida a dez e 27 anos. Em ambos os prazos, pagou os juros mais baixos de sempre. No caso das obrigações com maturidade em 2045, o IGCP obteve um juro de 2,8%.

Portugal levantou 1.250 milhões de euros em dívida a dez anos e 27 anos. Em ambos os prazos, obteve os juros mais baixos de sempre. No caso das obrigações com maturidade em 2045, o prazo mais longo com que a República se financia, o IGCP conseguiu um juro de 2,8% perante um maior interesse da parte dos investidores. Analistas falam em sucesso. O ministro das Finanças também.

“Colocámos dívida a dez anos e a 27 anos com juros de 1,7% e 2,8%. Não são as taxas mais baixas da semana passada nem de de há um ano. São as taxas mais baixas de sempre“, comentou Mário Centeno no Parlamento. “É apenas e só o resultado de cumprir e de tornar a política económica em Portugal credível”, salientou o ministro numa breve nota aos deputados sobre a operação desta manhã.

Sem surpresas, o IGCP voltou esta quarta-feira ao mercado de dívida. Realizou um duplo leilão que marcou o regresso do país ao financiamento de muito longo prazo. E com sucesso dado que registou taxas de juro muito mais baixas do que as anteriores, o que significa que estes empréstimos custam menos aos cofres dos portugueses.

Os investidores exigiram uma taxa de juro de 2,8% para comprar 275 milhões de euros em títulos de dívida que vencem em 2045 (27 anos). É um custo que está em linha com os preços do mercado mas que representa uma forte baixa face à anterior operação na mesma linha: há menos de um ano, quando recorreu a esta linha de 2045, registou uma taxa de 3,977%. Importante para esta redução da taxa esteve a dimensão da operação: o IGCP colocou menos dívida para venda face aos anteriores leilões, o que ajudou a melhorar o rácio da procura face à oferta.

Linha de 2045 continua a registar taxas mínimas

Fonte: IGCP

Adicionalmente, na linha de referência a dez anos, Portugal também conseguiu aproveitar as boas condições do mercado para se financiar aos custos mais baixos de sempre. Registou um juro de 1,778% para vender 975 milhões de euros. Ainda há um mês, na mesma maturidade, o juro foi de 2,046%.

“Foram duas emissões de dívida com bastante sucesso e em ambas Portugal conseguiu emitir dívida com as taxas mais baixas de sempre para estes prazos. Na dívida a 10 anos, Portugal registou uma descida substancial para um curto espaço de tempo”, explicou Filipe Silva, diretor da Gestão de Ativos do Banco Carregosa. “Mas o mais extraordinário foi a emissão a 27 anos a uma taxa de 2,8%. (…) Basta dizer que esta taxa de 2,8% foi o que se pagou por dívida a 10 anos emitida em setembro de 2017. Agora, com a mesma taxa conseguimos dívida que só se vence em 2045″, disse ainda.

“Estas duas operações mostram que o prémio de risco da dívida portuguesa baixou drasticamente o que é muito bom para os interesses do país, dado sobretudo tratar-se de dívida longa. Estes resultados irão certamente ter impacto também no custo de financiamento de empresas portuguesas que queiram emitir dívida no mercado”, sublinhou ainda Filipe Silva.

De acordo com as previsões do IGCP, o custo médio da dívida pública portuguesa deverá continuar a baixar este por força dos pagamentos antecipados ao Fundo Monetário Internacional (FMI) mas também destas emissões que estão a sair mais em conta a Portugal. Em 2018, o custo do stock de endividamento cairá para 2,8%, o mais baixo da década.

(Notícia atualizada às 10h58 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal paga juro de 2,8% por dívida a 27 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião