Turismo volta a bater recordes em janeiro, mas com o menor crescimento em quatro anos

A hotelaria nacional ultrapassou, pela primeira vez, um milhão de hóspedes num mês de janeiro. Mas o crescimento está a abrandar para o ritmo mais baixo desde 2014.

O setor do turismo continuou a bater recordes no arranque deste ano, depois de ter fechado 2017 com os melhores resultados de sempre. Os estabelecimentos hoteleiros ultrapassaram, pela primeira vez desde que o Instituto Nacional de Estatística (INE) faz este registo, um milhão de hóspedes num mês de janeiro. Mas, agora que os números atingem patamares mais elevados, o crescimento também começa a abrandar de forma significativa. No primeiro mês deste ano, o turismo registou o menor crescimento em quatro anos.

Os dados divulgados esta quinta-feira pelo INE mostram que a hotelaria nacional recebeu 1.019.200 hóspedes em janeiro, que responderam por 2,5 milhões de dormidas. São números que correspondem a aumentos de 3,7% e 5,1%, respetivamente, face a janeiro do ano passado. Esses são, contudo, os menores aumentos desde 2014, ano em que o setor do turismo começou a recuperar da contração.

Apesar desta desaceleração, os proveitos totais da hotelaria continuam a crescer a dois dígitos. Em janeiro, os estabelecimentos hoteleiros faturaram mais de 138 milhões de euros, o que corresponde a um aumento homólogo de 12,2%. Ainda assim, houve um abrandamento: em janeiro do ano passado, os proveitos tinham crescido 18%. Já o rendimento médio por quarto disponível fixou-se em 25,1 euros, mais 11,6% do que em janeiro do ano passado.

A estada média aumentou 1,4%, fixando-se em 2,47 noites, enquanto a taxa de ocupação por cama aumentou em apenas 1,1 pontos percentuais, para 30%.

A justificar o abrandamento do crescimento no número de hóspedes e de dormidas estão os mercados externos, que responderam por 1,8 milhões de dormidas, uma subida de 4,3%, que fica muito aquém do aumento de 18% que tinha sido registado em janeiro do ano passado. Já os residentes em Portugal responderam por 764,8 mil dormidas em janeiro, mais 7% do que há um ano, o que representa uma aceleração face ao crescimento de 1,6% que tinha registado em janeiro de 2017.

Brexit afasta britânicos

Os hoteleiros têm vindo a alertar para o impacto que o Brexit já está a ter sobre o turismo nacional e, esta quinta-feira, os dados do INE começam a mostrar a mostrar isso mesmo. O Reino Unido mantém-se como o principal mercado externo turismo português, mas, pela primeira vez desde 2011, o número de turistas britânicos caiu.

Em janeiro, a hotelaria recebeu 309,6 mil turistas britânicos, o que faz do Reino Unido o mercado com maior peso em Portugal, muito acima do segundo maior mercado, a Alemanha, com 234 mil turistas. Mas o número representa uma quebra face aos 333 mil turistas britânicos registados em janeiro do ano passado, a primeira desde janeiro de 2011.

(Notícia atualizada às 11h59 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo volta a bater recordes em janeiro, mas com o menor crescimento em quatro anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião