Carlos Tavares nomeado presidente do banco Montepio em assembleia-geral

  • Lusa
  • 16 Março 2018

Carlos Tavares foi nomeado chairman e presidente executivo, pelo menos por seis meses, da Caixa Económica Montepio. EQuipa já está escolhida e aprovada em assembleia-geral.

A Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) nomeou esta sexta-feira, formalmente, Carlos Tavares como presidente do conselho de administração (‘chairman’) e presidente executivo, confirmou à Lusa fonte oficial da Associação Mutualista Montepio Geral.

A nomeação aconteceu em assembleia-geral da CEMG, ao final da tarde, depois de Carlos Tavares já ter cessado o vínculo com a Caixa Geral de Depósitos (CGD), onde era assessor da administração do banco público.

A entrada em funções de Carlos Tavares (que saiu do regulador dos mercados financeiros no final de 2016) acontecerá na próxima semana, ainda sem dia definido, sucedendo assim a Félix Morgado, que é presidente da CEMG desde 2015 e cujo mandato no banco mutualista foi marcado por divergências com Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral, o único acionista da CEMG.

Além de Carlos Tavares, a assembleia-geral da CEMG nomeou para a comissão executiva Nuno Mota Pinto (vindo do Banco Mundial e inicialmente indicado para presidente do banco, mas que passou a administrador na sequência da polémica devido a uma dívida à banca tida até ao ano passado), Carlos Leiria Pinto, José Mateus, Pedro Alves, Helena Costa Pina e Pedro Ventaneira.

Já como administradores não executivos foram nomeados Amadeu Paiva, Rui Heitor, Luís Guimarães, Vítor Martins e Manuel Teixeira.

Tendo em conta a alteração feita o ano passado nos estatutos da CEMG, a assembleia-geral é constituída apenas pelos representantes dos acionistas.

Uma vez que a CEMG tem um acionista único, a Associação Mutualista Montepio Geral, foi a Tomás Correia, enquanto presidente da Mutualista, a quem coube proceder às nomeações formais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Tavares nomeado presidente do banco Montepio em assembleia-geral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião