Função Pública: Arménio Carlos diz que promessas do Governo “continuam por cumprir”

  • Lusa e ECO
  • 16 Março 2018

Milhares de funcionários públicos estiveram a protestar em Lisboa, exigindo aumentos salariais e um horário semanal de 35 horas para todos. Sindicatos exigem avanços nas negociações.

Milhares de funcionários públicos desfilaram em Lisboa, esta sexta-feira, entre os Restauradores e o Terreiro do Paço, para exigir aumentos salariais e um horário semanal de 35 horas para todos.

À chegada aos Ministério das Finanças, em declarações à SIC Notícias, o dirigente sindical Arménio Carlos aproveitou para criticar o Governo: “[O que temos visto] são promessas que continuam por cumprir. [Este tem sido] um processo de diálogo que de negociações tem pouco e de conversa tem muito e precisamos que a negociação avance“. O representante reforçou, ainda, que “se o Governo se quer assumir diferente do seu antecessor tem de negociar”.

Na cabeça da manifestação e a segurar a faixa “Mais salário, carreiras e 35 horas” estiveram, além do secretário-geral da CGTP, Ana Avoila, dirigente da Frente Comum. “Não vamos desistir enquanto não negociarmos os aumentos de salários”, sublinhou a representante, em conversa com o mesmo canal de televisão. “Os trabalhadores sairão as vezes necessárias até que as coisas se resolvam”, acrescentou Arménio Carlos.

“Basta de congelamento! Queremos o nosso aumento!” foi uma das frases de luta que a ser entoadas pelos funcionários públicos, que se manifestarm, esta sexta-feira, em Lisboa também pela dignificação das carreiras e pelo combate à precariedade.

Ânimos aquecem no Terreiro do Paço

À chegada ao Terreiro do Paço, ocorreram momentos de tensão quando os trabalhadores forçaram e derrubaram algumas barreiras que impediam a aproximação dos manifestantes ao Ministério das Finanças.

As autoridades formaram um cordão policial e, pelas 17:00, chegou ao local a polícia de choque para reforçar a segurança.

Os ânimos exaltaram-se entre os trabalhadores, que entoavam “o povo unido já mais será vencido” e o secretário-geral da CGTP chegou mesmo a pedir que a polícia de choque saísse da proximidade do palco onde iria discursar, o que não aconteceu.

Uma delegação do PCP, que conta com a deputada da Assembleia da República Rita Rato e o eurodeputado João Ferreira, por exemplo, marcou também presença em solidariedade para com os trabalhadores do Estado.

Em conferência de imprensa na passada terça-feira, Ana Avoila criticou o Governo por “não responder” à sua proposta reivindicativa para 2018 de aumentos salariais de 4% (recorde-se que os salários estão congelados desde 2010), sublinhando que os sindicatos não são “figuras decorativas” na negociação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Função Pública: Arménio Carlos diz que promessas do Governo “continuam por cumprir”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião