Há mais 10 mil funcionários públicos em dois anos de “geringonça”

  • Marta Santos Silva
  • 15 Fevereiro 2018

As estatísticas publicadas esta quinta-feira mostram que no ano passado o número de funcionários públicos na administração pública aumentou em cerca de 5,5 mil, uma subida idêntica à de 2016.

O ano de 2017 terminou com mais 5.500 pessoas empregadas pelo Estado português do que no ano anterior, com uma subida de 1,3% no quarto trimestre, que costuma registar picos com o princípio do ano letivo. No total, os números da Direção-Geral das Administrações e Emprego Público mostram que no final do ano havia 669.725 trabalhadores do Estado.

Aumento dos trabalhadores em funções públicas

O número de trabalhadores nas Administrações Públicas tem estado a subir desde 2015.Dados: Síntese Estatística do Emprego Público, DGAEP. Infografia: Ana Raquel Moreira

Em dois anos de Governo de António Costa, com o acordo parlamentar de esquerda que foi apelidado de “geringonça”, o número de trabalhadores do setor público aumentou em 10.602. Em termos percentuais, é um aumento de 1,5% no total da força de trabalho do Estado.

A Síntese Estatística do Emprego Público sobre o quarto trimestre de 2017, publicada esta quinta-feira, mostra que no final do ano passado os Ministérios que mais contribuíram para o aumento de 1,3% em relação ao trimestre anterior foram o da Educação e o da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, “refletindo ainda, durante o 4.º trimestre do ano, a atividade de início do ano letivo 2017/2018, com o processo de colocação de docentes contratados e de técnicos superiores para atividade de enriquecimento curricular”, assinala o texto que acompanha os números divulgados esta quinta-feira.

O salário médio mensal nas administrações públicas também tem registado um aumento desde o princípio do Governo de António Costa. O valor médio mensal da remuneração base a tempo completo era de 1.460,8 em outubro de 2017, assinala o relatório, um aumento de 0,7% relativamente a outubro de 2016. Em parte, o aumento deve-se à atualização do salário mínimo.

Contratações predominam na Educação e Saúde

Olhando para o crescimento homólogo, porém, que é de 0,8% relativamente ao ano anterior, é fácil perceber onde surgem as cinco mil novas contratações. Os médicos, por exemplo, representam 4,3% do total dos trabalhadores do setor público. Entre 2016 e 2017, foram contratados 994 novos médicos, um aumento de 3,7%. Também os enfermeiros aumentaram: 960 enfermeiros foram contratados de um ano para o outro, totalizando assim 44.642, mais 2,2% do que no ano anterior.

Na área da educação, que representa mais de um quinto da força de trabalho do Estado, as contratações também são significativas de ano para ano. 2017 representou a contratação de mais 1.922 professores do Ensino Secundário e Básico e educadores de infância relativamente a um ano antes (excluindo assim os efeitos do princípio do ano letivo). O pessoal de investigação científica aumentou 10% de um ano para o outro, com a contratação de 143 novos profissionais — foi a área com o maior aumento percentual relativamente ao total, embora seja um grupo que representa apenas 0,2% do total dos trabalhadores da Função Pública.

Não é apenas nestas duas áreas, porém, que se registam grandes aumentos. O Governo também empregou mais 2.337 técnicos superiores de 2016 para 2017, assim como 201 oficiais de justiça e 207 polícias municipais. Noutras áreas profissionais, no entanto, registam-se quedas acentuadas. Há menos 1.369 trabalhadores nas Forças Armadas, uma redução de 4,8%, e menos 139 magistrados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais 10 mil funcionários públicos em dois anos de “geringonça”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião