Criada primeira associação portuguesa para utilizadores de moedas digitais

  • Lusa
  • 19 Março 2018

Chama-se Associação Portuguesa de Blockchain e Criptomoedas e é a primeira associação portuguesa para utilizadores das moedas digitais. Promete fazer lóbi junto dos legisladores que preparam regulação

A Associação Portuguesa de Blockchain e Criptomoedas (BTC), composta por utilizadores e especialistas nas áreas da Informática e Direito, é apresentada na quinta-feira e visa melhorar a informação sobre estas tecnologias e combater esquemas fraudulentos.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da BTC, Fred Antunes, explicou que “era cada vez mais imperativo” criar esta associação – a primeira do género em Portugal –, por haver “um interesse cada vez maior à volta” da tecnologia blockchain (que permite guardar dados de forma descentralizada e privada) e da transação de moedas digitais, faltando “um contraditório informativo sobre o que é divulgado”.

“Como é uma tecnologia nova, as pessoas tendem a falar mais das partes negativas do que das positivas, mas [a blockchain e as criptomoedas] têm muitas coisas positivas, daí tantas pessoas usarem”, observou o responsável.

Como é uma tecnologia nova, as pessoas tendem a falar mais das partes negativas do que das positivas, mas [a blockchain e as criptomoedas] têm muitas coisas positivas, daí tantas pessoas usarem,

Fred Antunes

Presidente da Associação Portuguesa de Blockchain e Criptomoedas

Por isso, é “necessária uma instituição organizada para apoiar investidores, utilizadores e ‘software developers’ [programadores]”, justificou.

Além do presidente, também os restantes membros dos órgãos sociais são adeptos desta tecnologia, e alguns dos quais são, ao mesmo tempo, especialistas em Informática (como é o caso do presidente do conselho tecnológico, Mário Valente) e em Direito (como o presidente do conselho jurídico, Rui Simões).

São todos utilizadores, mas há pessoas que não estão tão ligadas ao desenvolvimento da tecnologia. Em última instância, têm sempre criptomoedas no portefólio”, afirmou Fred Antunes.

Formado em Filosofia, mas a trabalhar na área do ‘neuromarketing’, o representante explicou que resolveu constituir a BTC para “combater os esquemas em pirâmide e todas as formas de fraude, que não fazem parte dos princípios das criptomoedas [moedas digitais]”.

“A diferença [quanto à quantidade e dimensão das fraudes] é brutal desde a altura em que comecei a usar”, há cerca de nove anos, apontou Fred Antunes, lamentando também que “as pessoas sejam roubadas e não tenham onde reclamar” em Portugal.

Por essa razão, a associação pretende bater-se por uma legislação nacional sobre esta área. “Queremos estar próximos dos agentes legisladores para uma possível regulamentação”, sublinhou.

Na ótica de Fred Antunes, a transação de moedas digitais em Portugal também é dificultada pela “falta de procedimentos legais”.

“Se uma pessoa tiver criptomoedas e quiser usá-las em qualquer loja, por exemplo de tecnologia ou num restaurante, isso não é ilegal, mas não há procedimentos para que essa loja consiga processar” o pagamento, nomeadamente em termos do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), exemplificou.

Assim, a associação pretende “ajudar as PME [pequenas e médias empresas] para que possam começar a receber pagamentos em criptomoedas”.

Se uma pessoa tiver criptomoedas e quiser usá-las em qualquer loja, por exemplo de tecnologia ou num restaurante, isso não é ilegal, mas não há procedimentos para que essa loja consiga processar.

Fred Antunes

Presidente da Associação Portuguesa de Blockchain e Criptomoedas

Dirigindo-se essencialmente a associados, a BTC quer criar, dentro de três meses, um sistema de pagamento para PME, auxiliando na implementação tanto em termos tecnológicos como jurídicos.

Entre outras ações previstas está a realização de cursos livres de formação para particulares e empresas, dados por especialistas da associação, e o trabalho em parceria com associações semelhantes de outros países europeus para, em 2019, criar uma federação europeia.

A apresentação da BTC à comunicação social decorre às 15h00 de quinta-feira em Lisboa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Criada primeira associação portuguesa para utilizadores de moedas digitais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião