Wall Street recupera do susto Facebook com os olhos na Fed

  • Juliana Nogueira Santos
  • 20 Março 2018

Após a queda de mais de 7% do Facebook, Wall Street recompõe-se e foca as atenções na próxima reunião da Reserva Federal.

Wall Street tremeu na sessão passada com os receios em torno da privacidade nas redes sociais, mas a atenção dos analistas já tem outro alvo esta terça-feira, a próxima reunião da Fed. Com uma subida da taxa de juro diretora à vista, os índices norte-americanos voltaram aos ganhos.

Na sessão desta segunda-feira as ações da tecnológica caíram mais de 7% devido às notícias que davam conta de falhas na segurança da rede social, que permitiram à Cambridge Analytica recolher dados de mais de 50 milhões de contas para análise política. Já esta terça-feira, a Facebook segue a desvalorizar 1,79% para 169,46 dólares.

Ainda assim, os principais índices bolsistas norte-americanos recuperaram o fôlego, com o industrial Dow Jones a avançar 0,4% para 24.709,66 pontos e o S&P 500 a ganhar 0,26% para 2.719,96 pontos. Já o tecnológico Nasdaq, o mais castigado na sessão passada, valorizava 0,15% para 7.355,57 pontos.

As atenções dos investidores estão agora focadas na reunião da Reserva Federal, a decorrer nos próximos dois dias, e que poderá trazer novidades em relação às taxas de juro. Os analistas esperam uma subida de 25 pontos base, sendo que a ferramenta da CME Group que mede a probabilidade de mexidas na taxa de juro diretora aponta para 94,4% de hipóteses de esta subir.

Ainda esta semana, mais especificamente na sexta-feira, é esperado que o Presidente dos Estados Unidos revele as tão badaladas tarifas sobre a importação de aço e alumínio, que têm sido alvo de críticas um pouco por todo mundo. Fala-se de um pacote de 60 mil milhões de dólares que incidirão nos setores da tecnologia, das telecomunicações e da propriedade intelectual.

A União Europeia preparou já uma lista de mais de 300 produtos para retaliação, caso Donald Trump avance com estas novas taxas e não isente os Estados-membros, da qual fazem parte bens como o sumo de laranja, os mirtilos, a ganga ou até a manteiga de amendoim.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street recupera do susto Facebook com os olhos na Fed

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião