Fed subiu juros, mas Wall Street caiu. Facebook recuperou

  • Juliana Nogueira Santos
  • 21 Março 2018

Com o pedido de desculpas de Zuckerberg, as ações da tecnológica recuperaram. No dia em que a Fed subiu os juros, Wall Street cedeu.

Mark Zuckerberg falou vinte minutos antes de fecharem os mercados… e conseguiu trazer paz às ações da sua empresa. Depois de mais de dois dias de pressão vendedora, que levou o valor de mercado da empresa a baixar a fasquia dos 500 mil milhões de dólares, Zuckerberg assume: “Cometemos erros”.

Com este pedido de desculpas, as ações da tecnológica reverteram de perdas, fechando a sessão desta quarta-feira a valorizar 0,74% para 169,39 dólares. Ainda assim, as notícias mais importantes não vieram da rede social, mas sim da Reserva Federal.

Nesta que foi a primeira reunião sobre a liderança de Jerome Powell, a Reserva Federal norte-americana subiu a taxa de juro diretora em 25 pontos para o intervalo entre 1,5% e 1,75%. Esta atinge assim o nível máximo da última década. No base desta decisão está a melhoria das previsões económicas, com a Fed a prever que a inflação toque o objetivo dos 2% em 2019.

Ainda assim, os principais índices bolsistas não conseguiram reverter das perdas dos últimos dias. O Dow Jones perdeu 0,18% para 24.682,31 pontos, enquanto o S&P 500 caiu 0,18% para 2.711,93 pontos. O tecnológico Nasdaq deslizou 0,26% para 7.345,29 pontos.

“Apesar da especulação de que a Fed poderia dar sinais de uma abordagem mais agressiva de forma a apertar a política monetária este ano, a previsão de três subidas em 2018 está em linha com as expectativas”, apontou Bob Baur da Principal Global Investors, à Bloomberg. “Todos os dados de mercado e da economia suportam a decisão da Fed de manter o status quo”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed subiu juros, mas Wall Street caiu. Facebook recuperou

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião