Revista de imprensa internacional

As entrevistas de Zuckerberg sobre o Facebook, as novas taxas de Trump sobre a China e os desenvolvimentos nas negociações Boeing/Embraer. Estes são alguns dos temas a marcar a atualidade lá fora.

Donald Trump prepara-se para subir a fasquia na relação comercial com a China, podendo vir a desencadear mais uma guerra comercial. Isto num dia marcado por novos desenvolvimentos nas negociações entre a Boeing e a Embraer no Brasil e em que se sabe que as cinco maiores economias europeias concordam com a nova taxa proposta por Bruxelas sobre os lucros das grandes tecnológicas.

Financial Times

Trump quer novas taxas sobre a China para proteger propriedade intelectual americana

Os Estados Unidos terão planos para criar novos impostos direcionados para a China com o objetivo de impedir aquilo que Donald Trump entende ser o roubo de propriedade intelectual de empresas norte-americanas. O objetivo é aplicar “pressão máxima” na economia de Xi Jinping. Trump deverá assinar esta quinta-feira um memorando que coloca na mira a “agressão económica chinesa”. Em cima da mesa estarão impostos sobre importações de produtos feitos na China que poderão valer cerca de 30 mil milhões de dólares e desencadear uma guerra comercial. Leia a notícia completa no Financial Times (acesso pago/conteúdo em inglês).

Valor Econômico

Boeing e Embraer planeiam criar nova empresa de aviação

As negociações entre a gigante norte-americana Boeing e a fabricante brasileira Embraer “ganharam tração nas últimas semanas” e há cada vez mais probabilidade de que um negócio entre ambas as companhias vá mesmo avançar, segundo “fonte próxima às negociações”. Em cima da mesa, um plano para criar uma nova empresa de aviação comercial, de caráter operacional, que seria controlada pela Boeing. A norte-americana deverá controlar entre 80% e 90%, enquanto a Embraer deverá ficar com 10% a 20%. Afastada estará a hipótese de se criar uma holding que funcionaria acima dessa empresa de operacional. Leia a notícia completa no Valor Econômico (acesso gratuito/conteúdo em português).

El País

Cinco maiores países da UE apoiam imposto sobre gigantes tecnológicas

A Comissão Europeia lançou esta quarta-feira propostas no sentido de taxar as receitas das gigantes tecnológicas na Europa, como são exemplo a Google e o Facebook. O imposto de 3% renderia cinco mil milhões de euros mas, como explicou o ECO, uma das barreiras será gerar consenso entre os diferentes Estados-membros. Ora, esta quinta-feira sabe-se que pelo menos os cinco maiores países do grupo apoiam esta taxa. São eles Alemanha, Reino Unido, França, Itália e Espanha, o que poderá ser um primeiro passo no sentido da criação de novas taxas europeias sobre a chamada “economia digital”. Leia a notícia completa no El País (acesso gratuito/conteúdo em espanhol).

The Guardian

Congresso revela plano de 1,3 biliões de dólares para evitar novo shutdown

Os líderes do Congresso norte-americano já revelaram o Orçamento de 1,3 biliões de dólares que vem aumentar “substancialmente” a despesa interna e os gastos com defesa. O plano retira ainda alguma margem financeira a Donald Trump para a construção do muro na fronteira com o México e apenas tem em conta “passos incrementais” para encarar a violência com recurso a armas de fogo no país. De fora do plano ficam os jovens imigrantes, um dos temas mais sensíveis na agenda política dos EUA. Leia a notícia completa no The Guardian (acesso gratuito/conteúdo em inglês).

CNN

Presidente do Facebook admite falar ao Congresso sobre dossiê “Cambridge Analytica”

Mark Zuckerberg já reagiu à polémica do uso de dados de cerca de 50 milhões de utilizadores do Facebook pela consultora Cambridge Analytica para ajudar a pôr Donald Trump na Casa Branca. Depois de publicar uma extensa mensagem na sua conta na rede social, o presidente executivo deu três entrevistas a órgãos de comunicação social norte-americanos, divulgadas durante a madrugada em Lisboa. À CNN, Mark Zuckerberg diz que “ficaria contente” em testemunhar perante o Congresso acerca deste polémico caso, “se for a coisa certa a fazer”. Leia a notícia completa na CNN (acesso gratuito/conteúdo em inglês).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião