Bundesbank vê possível subida de juros na Zona Euro em 2019

  • Lusa
  • 26 Março 2018

O presidente do Bundesbank defende que, antes de qualquer subida dos juros, deve concluir-se o programa de estímulos do BCE.

O presidente do Bundesbank, Jens Weidmann, considerou esta segunda-feira que não é irreal a estimativa dos mercados que apontam para uma primeira subida das taxas de juro na Zona Euro em meados de 2019.

Num discurso em Viena, Weidmann sublinhou que, primeiro, se deve concluir o programa de estímulos, através da compra de dívida pública e privada, do Banco Central Europeu (BCE), sem que crie confusão ou rejeição dos mercados. “Os mercados preveem uma primeira subida dos juros aproximadamente em meados de 2019, o que seguramente não é irreal”, afirmou o responsável do banco central alemão e membro do Conselho de governadores do BCE.

O BCE prevê continuar com o programa de compra de dívida no valor de 30.000 milhões de euros mensais pelo menos até setembro deste ano, e indicou que a primeira subida de juros não ocorrerá até bastante depois da conclusão da compra de ativos.

Na última reunião do conselho, em 8 de março último, contudo, o BCE eliminou do comunicado sobre política monetária a referência a que se a situação económica piorasse estaria “disposto a aumentar o programa de compra de ativos em termos de volume e ou duração”. O abandono daquele compromisso foi interpretado pelos mercados como um sinal da redução gradual do programa de estímulos por parte do BCE.

Sbre isso, Weidmann disse que o fim das compras de dívida é “só o princípio de um processo de normalização da política monetária de vários anos” e sublinhou que, “por isso, é tão importante começar rapidamente” com a conclusão do programa.

Mesmo assim, Weidmann indicou que a normalização monetária vai conferir ao BCE de novo uma maior margem de manobra para reagir a possíveis quedas conjunturais futuras, já que a atual reativação económica “não durará eternamente”.

Weidmann é considerado um dos principais candidatos para suceder Mario Draghi na presidência do BCE, quando este concluir o seu mandato no outono de 2019.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bundesbank vê possível subida de juros na Zona Euro em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião