Desemprego cai para taxa abaixo de 6% em 2020, prevê Banco de Portugal

Apesar da descida da taxa de desemprego, o emprego ainda não recuperou totalmente os níveis pré-crise mundial. Os salários vão continuar a crescer de forma moderada.

A taxa de desemprego vai continuar a cair até 2020, mas o número de pessoas empregadas ainda não recuperou totalmente e os salários vão permanecer contidos. Este é o panorama traçado pelo Banco de Portugal nas novas projeções macroeconómicas, divulgadas esta quarta-feira.

A taxa de desemprego em 2020 será de 5,6%, um valor abaixo da taxa verificada em 2008 (7,6%), ano que marca o início da crise mundial. Para este ano está prevista uma taxa de desemprego de 7,3% que continuará depois a reduzir-se. Em 2017 recuou para 8,9%.

Segundo o banco, para esta redução contínua contribuiu o facto de o crescimento do emprego ser “acompanhado de variações ligeiramente positivas da população ativa”, associadas ao “regresso de alguns indivíduos inativos ao mercado de trabalho nesta fase favorável do ciclo e ao aumento progressivo da idade de reforma”.

Contudo, apesar de a taxa de desemprego ser menor, o número de pessoas empregadas não será maior do que no início da crise mundial. Segundo o Departamento de Estudos Económicos, o nível médio do emprego será 1,6% inferior ao observado em 2008.

Depois do crescimento significativo do emprego no ano passado (3,3%) — “superior ao do PIB e cerca do dobro do observado em média no período 2014-16” — os acréscimos esperados para os anos seguintes serão mais contidos, o que não permitirá recuperar ainda as perdas geradas em 2008 com a crise mundial.

O emprego deverá aumentar 1,9% este ano, desacelerando para 1,3% em 2019 e 0,9% em 2020.

“A projeção tem implícito um crescimento fraco do produto por trabalhador“, admite o banco que vê na evolução deste indicador um travão para uma continuação da recuperação robusta do mercado de trabalho.

Apesar de admitir uma “aceleração moderada dos preços e dos salários nominais, num quadro de redução gradual das margens disponíveis no mercado de trabalho e na capacidade produtiva”, o banco avisa que os reflexos nos salários reais — que descontam os preços e por isso medem o poder de compra — serão parcos.

Haverá um “aumento contido dos salários reais, mais pronunciado em 2018 devido à atualização do salário mínimo”, afirma a instituição.

A contenção na evolução dos salários reais tem sido, aliás, uma tónica no espaço do euro, com os trabalhadores e os patrões a apostarem noutro tipo de compensações além do salário para fechar processos de negociação. Foi o que aconteceu este ano na Alemanha, quando o maior sindicato do país chegou a acordo com os patrões das maiores empresas, ao aceitar uma redução do número de horas de trabalho, em vez de um aumento salarial superior ao oferecido pelos empregadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego cai para taxa abaixo de 6% em 2020, prevê Banco de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião