Mulheres portuguesas têm filhos mais tarde. Maioria só tem um

Dados do Eurostat mostram que, em 2016, a maioria das mulheres portuguesas só teve filhos apenas depois dos 30 anos. Mais de metade optou por ter apenas um filho e apenas 3,1% chegou ao quarto filho.

As mulheres portuguesas têm o seu primeiro filho quase aos 30 anos (29,6 anos). De acordo com um relatório divulgado, esta quarta-feira, pelo Eurostat, a idade média portuguesa está ligeiramente acima da idade média europeia (29 anos). Apesar desse dado estar quase em linha com os restantes Estados-membros, dos 87 mil bebés nascidos em 2016, em Portugal, metade tinham mães com idades entre os 30 e os 39 anos.

As famílias portuguesas não só optam por ter filhos mais tarde do que a média europeia, como também apresentam taxas de fertilidade mais baixas, revelam ainda os dados do gabinete europeu de estatísticas. Em 2016, a média de nascimentos por mulher foi de 1,6 na Europa.

De forma desagregada, a França (1,92 nascimentos por mulher) e a Suécia (1,85) foram os Estados-Membros com as taxas de fertilidade mais elevadas da região, seguidos pela Dinamarca e Reino Unido (ambos com 1,79). Portugal surge no lado oposto da tabela. Depois de Espanha e Itália (ambos com 1,34 nascimentos por mulher), aparece Portugal com uma média de 1,36 nascimentos por mulher.

No que respeita ao número de filhos, as famílias portuguesas também são muito conservadoras. Mais de metade (52%) fica pelo primeiro filho, a quarta percentagem mais elevada da Europa. Apenas a Roménia, Malta e o Luxemburgo apresentam taxas superiores. Já chegar ao quarto filho foi uma realidade para apenas 3,1% das famílias que tiveram filhos em 2016. Apenas Espanha apresenta um número inferior: 2,8%.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mulheres portuguesas têm filhos mais tarde. Maioria só tem um

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião