Marcelo leu o relatório de Tancos. “Não desisto de ter uma resposta”, diz

  • ECO
  • 2 Abril 2018

O Presidente da República acredita que as Forças Armadas não deixarão "de esclarecer aquilo que se passou e como se passou para os portugueses ficarem a saber também".

O Presidente da República já leu o relatório de Tancos, mas não avança conclusões. Remete o apuramento dos factos para as instituições judiciais competentes, mas, em declarações à RTP 3, reitera que não vai desistir de uma resposta.

Marcelo mantém a posição que tinha antes de receber o relatório, o qual já leu há cerca de duas semanas. “Não desisto de ter uma resposta“, afirma, e reitera a confiança na investigação, da qual “espera muito” e na qual conta com a colaboração com as forças armadas. Estas, acredita, não deixarão “de esclarecer aquilo que se passou e como se passou para os portugueses ficarem a saber também”. Agora, cabe à “instituição judicial competente o apuramento dos factos e dos eventuais responsáveis”.

O relatório do Ministério da Defesa sobre o furto de Tancos aponta “falhas de manutenção sistémica e estrutural” nos paióis e destaca que nunca foi cumprido o número de efetivos originalmente determinado para a segurança da infraestrutura.

O Presidente da República aproveitou ainda para destacar a intervenção das forças militares nacionais destacadas na República centro-africana. Da sua perspetiva, a “forma excecional como intervieram” que mostra o porquê de serem tão admirados lá fora”. Mostrou-se ainda preocupado com os apoios à cultura, e prometeu falar com alguns autarcas para entender melhor a situação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo leu o relatório de Tancos. “Não desisto de ter uma resposta”, diz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião