Hoje nas notícias: Precários, Tancos e petróleo

  • ECO
  • 7 Março 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que marcam o dia.

Os precários na função pública e no privado estão nas capas dos jornais, no dia em que é dada nota do atraso da entrega de um dossiê do Ministério da defesa sobre o que falhou em Tancos e em que se sabe que a Galp e a Eni estão preparadas para avançar com perfuração de petróleo no Alentejo no verão.

Precários da função pública que forem excluídos ameaçam com justiça

Há trabalhadores precários da administração pública que entregaram requerimentos para verem revista a sua situação que estão a receber um parecer negativo, com a justificação de que o seu vínculo é adequado e que a sua função que exercem não corresponde a uma necessidade permanente. Dirigentes sindicais contactados pelo Diário de Notícias (acesso pago) dizem não ter dúvidas de que os trabalhadores que forem excluídos deste processo de regularização de precários no Estado vão avançar para tribunal.

 

Precariedade no privado é a mais alta em 15 anos

Cerca de um terço dos trabalhadores do privado tem contratos não permanentes, o nível mais alto em (pelo menos) década e meia, noticia o Jornal de Negócios (acesso pago) nesta quarta-feira. A conclusão é de um estudo do Observatório das Desigualdades que será apresentado esta quarta-feira e que também recorda que a esmagadora maioria dos trabalhadores precários (85%) preferia não estar nessa situação.

Eni e Galp querem furo de petróleo em setembro

Depois de o Governo ter dado mais um ano para o consórcio Eni/Galp fazer o furo de pesquisa de petróleo na bacia do Alentejo, o processo está em consulta pública até 16 de abril. O consórcio que reúne as duas empresas garante que está preparado para fazer o furo de petróleo no mar do Alentejo até ao final de 2018, pretendendo avançar no final do verão, com a perfuração a durar 46 dias, avança o Jornal de Negócios (acesso pago) nesta quarta-feira, citando o documento.

Governo falha entrega de dossier sobre Tancos no Parlamento

O ministro da defesa, Azeredo Lopes, tinha-se comprometido a entregar no Parlamento até final de fevereiro um “dossiê documental” com todas as medidas estruturais que foram tomadas na sequência do roubo de material militar em Tancos. O prazo para essa entrega terminou há sete dias e os documentos ainda não chegaram ao Parlamento, avança o Público (acesso condicionado) na edição desta quarta-feira. A elaboração deste “dossiê documental visava “esclarecer a opinião pública” sobre tudo o que foi feito neste processo.

Braço-de-ferro por meios aéreos pode disparar fatura para o Estado

O Governo lançou um concurso público para conseguir os meios aéreos necessários para combater os incêndios em Portugal, tendo falhado nessa iniciativa já que o valor que queria pagar era de menos de metade do que as empresas pediam pela satisfação desses serviços. Agora, o Estado viu-se obrigado a lançar um novo concurso que poderá resultar numa fatura mais elevada para conseguir reunir os recursos necessários. A notícia é avançada pela TSF (acesso grátis) nesta quarta-feira.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Precários, Tancos e petróleo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião