Carta da Ryanair ameaça tripulantes: “Se recusarem operar voos, a sanção normal é a demissão”

A companhia lowcost enviou uma carta aos tripulantes de várias bases onde ameaça despedir aqueles que recusarem voar. Admite também processar os sindicatos por "falsas alegações".

As denúncias já tinham sido feitas por vários trabalhadores da Ryanair: a companhia aérea está a ameaçar os tripulantes em greve de despedimento. A carta enviada pela companhia aérea irlandesa às tripulações de várias bases onde opera, a que o ECO teve acesso, confirma isso mesmo. A empresa não só ameaça despedir os grevistas, como apela aos tripulantes das bases fora de Portugal que não se deixem “intimidar” pelas “falsas alegações” dos sindicatos. E admite também processar os sindicatos.

“Têm de cumprir as vossas obrigações contratuais e operar os voos planeados pela companhia, de acordo com o vosso contrato de trabalho — não podem escolher que voos operar”, pode ler-se na carta enviada aos tripulantes, datada de 3 de abril e assinada por Andrea Doolan, responsável pelas operações de planeamento de voos. “Se abandonarem o vosso dever ao recusar operar voos como ordenado pela companhia, isso será visto como uma transgressão grave e sujeita a processo disciplinar, para a qual a sanção normal é a demissão”, acrescenta a responsável.

A carta enviada pela administração da Ryanair aos trabalhadores.D.R.

Ao mesmo tempo, a companhia lowcost acusa tripulantes e sindicatos de fazerem “falsas alegações” de que os tripulantes de bases não portuguesas que substituam os grevistas serão sujeitos a “processos legais” e perderão a sua licença. “Estas alegações são completamente falsas e estão a ser feitas por indivíduos para intimidar-vos e causar a máxima disrupção aos nossos clientes”, sublinha a empresa.

A Ryanair reitera que “não há risco de serem interpostas ações” contra os tripulantes que substituam os trabalhadores em greve e promete proteção aos tripulantes que o fizerem. “Há zero risco de qualquer dos nossos tripulantes perder a sua licença de voo ou identificação aeroportuária — estas alegações são falsas”, acrescenta.

"Se abandonarem o vosso dever ao recusar operar voos como ordenado pela companhia, isso será visto como uma transgressão grave e sujeita a processo disciplinar, para a qual a sanção normal é a demissão.”

Andrea Doolan

Responsável pelas operações de planeamento de voos da Ryanair

E apela aos tripulantes que oiçam estas “falsas ameaças” que as denunciem à empresa por email — “para que possamos avançar com a ação legal apropriada contra os indivíduos ou sindicatos que estão a fazer estas falsas alegações“.

A empresa dá ainda conta de casos de “cyber bullying” feito contra os seus tripulantes, para que adiram à greve ou recusem operar a partir de outras bases. “Os tripulantes devem reportar quaisquer situações de intimidação ou assédio, que também serão tratadas com processos disciplinares, incluindo sanções que poderão chegar a demissões. Dois tripulantes foram recentemente demitidos por publicarem mensagens abusivas e ameaçadoras sobre colegas seus no Facebook e no WhatsApp”, ilustra a Ryanair.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carta da Ryanair ameaça tripulantes: “Se recusarem operar voos, a sanção normal é a demissão”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião