China apresenta queixa na OMC contra taxas impostas pelos Estados Unidos

  • Lusa
  • 5 Abril 2018

A China alega que as taxas alfandegárias impostas pelos Estados Unidos são incompatíveis com o Acordo Geral de Tarifas e Comércio.

A China apresentou queixa à Organização Mundial do Comércio (OMC) devido às taxas impostas pelos Estados Unidos sobre importações de um conjunto de produtos chineses, anunciou hoje este organismo que regula o comércio internacional.

“A China pediu a abertura de consultas com os Estados Unidos no quadro do mecanismo de regulamento de diferendos da OMC relativamente às taxas alfandegárias dos Estados Unidos que visam um conjunto de produtos chineses”, refere um comunicado da organização.

O pedido de consultas inicia formalmente o processo de resolução de diferendos no seio da OMC. As consultas dão às partes envolvidas a possibilidade de analisar a questão e encontrar uma solução satisfatória sem prosseguir com a disputa.

Se no fim de 60 dias, as consultas não permitirem resolver o diferendo, a parte queixosa pode submeter a questão a um grupo especial.

A China alega que as taxas alfandegárias impostas pelos Estados Unidos são incompatíveis com o Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT).

A China e os Estados Unidos envolveram-se numa disputa comercial depois de a representação dos EUA para o comércio internacional (USTR, na sigla em inglês) divulgar uma lista de importações chinesas às quais propõem aplicar taxas alfandegárias, como retaliação pela “transferência forçada de tecnologia e propriedade intelectual norte-americana”.

A lista inclui 1.300 produtos de vários setores, incluindo aeronáutica, tecnologias de informação e comunicação ou ainda robótica e máquinas.

Um aumento da carga fiscal sobre aqueles setores é especialmente sensível para a liderança chinesa, que quer transformar o país numa potência tecnológica, com capacidades nos setores de alto valor agregado.

A China retaliou contra Washington publicando também uma lista de produtos norte-americanos, que em 2017 valeram 50.000 milhões de dólares (41 mil milhões de euros) nas importações chinesas, incluindo soja, aviões e automóveis, e que poderão sofrer um aumento das taxas alfandegárias.

A data para aumentar 25% nas taxas sobre as importações de soja ou aviões norte-americanos será anunciada mais tarde, dependendo se Washington avança com taxas alfandegárias que penalizarão as exportações chinesas no mesmo valor, segundo as autoridades chinesas.

O acirrar das disputas entre as duas maiores potências comerciais do planeta está a abalar as praças financeiras por todo o mundo e os observadores temem que esta guerra leve outros países a aumentar as barreiras às importações, abalando o comércio mundial.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China apresenta queixa na OMC contra taxas impostas pelos Estados Unidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião