Governo atribui 85% de financiamento a todas as empresas afetadas pelos incêndios

  • Lusa
  • 5 Abril 2018

Até aqui, para os incêndios de outubro, as empresas afetadas beneficiavam de um apoio de 85% se o prejuízo atingisse os 235 mil euros. Empresas com prejuízos superiores eram financiadas a 70%.

Todas as empresas afetadas pelos incêndios de outubro de 2017 vão beneficiar de um financiamento de 85% do prejuízo, estipulou hoje o Conselho de Ministros, equiparando assim a situação à dos fogos que ocorreram em junho do mesmo ano.

A percentagem foi indicada à Lusa por fonte do Governo.

Até aqui, para os incêndios de outubro, as empresas afetadas beneficiavam de um apoio de 85% caso a totalidade do prejuízo atingisse os 235 mil euros.

Empresas com prejuízos superiores a 235 mil euros eram financiadas a 70%.

“Foi aprovado o decreto-lei que procede à alteração do Sistema de Apoio à Reposição da Competitividade e Capacidades Produtivas. O Sistema de Apoio à Reposição da Competitividade e Capacidades Produtivas foi implementado na sequência dos incêndios que ocorreram a 15 de outubro de 2017, visando acorrer às necessidades mais prementes das empresas afetadas”, lê-se no comunicado de hoje do Conselho de Ministros.

“Considerando as necessidades entretanto identificadas, e com o objetivo de reforçar a capacidade das empresas, julgou-se necessário introduzir alguns ajustamentos, nomeadamente elevando a taxa de apoio aplicável aos danos sofridos por pequenas e médias empresas”, acrescenta.

Luís Lagos, porta-voz do Associação de Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVIMISP), reagiu com satisfação com uma publicação na rede social Facebook.

“Era mesmo a nossa grande bandeira reivindicativa em relação aos apoios. Esta reposição de igualdade é uma grande vitória da AVMISP. Muito grande mesmo. E eu tenho um orgulho enorme em ter liderado isso. É de facto a primeira grande medida de apoio ao interior”, lê-se na mensagem.

Lagos dá ainda os parabéns a todos os membros da associação e agradece, “pessoalmente, à chefe de gabinete do senhor primeiro-ministro toda a sensibilidade para a questão e vontade em a resolver”.

“E agradeço também à professora Ana Abrunhosa [presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro], pelo empenho e cumplicidade na busca de soluções. Conseguimos”, conclui.

Os incêndios de outubro de 2017, que atingiram de forma violenta a região Centro, provocaram a morte a 49 pessoas, além de avultados prejuízos em milhares de habitações e centenas de empresas, e da destruição de uma vasta área florestal e agrícola.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo atribui 85% de financiamento a todas as empresas afetadas pelos incêndios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião