Limpeza de terrenos: GNR e municípios vão ter dados da AT

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 5 Abril 2018

Fisco vai disponibilizar informação sobre a matriz predial dos prédios à GNR e aos municípios, que servirá para identificar e notificar proprietários de imóveis. Protocolo é assinado na sexta-feira.

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) vai disponibilizar informação sobre a matriz predial dos prédios à GNR e aos municípios. Estes dados vão servir para identificar e notificar proprietários, nomeadamente no âmbito da estratégia de defesa da floresta contra incêndios. Mas não só.

O protocolo entre a AT e a Guarda Nacional Republicana (GNR) e a Declaração Conjunta com a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) serão assinados esta sexta-feira em Coimbra, avança um comunicado do Ministério das Finanças. Com esta declaração conjunta, cada um dos municípios poderá estabelecer protocolos individuais com a AT. Estarão presentes o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.

“A Guarda Nacional Republicana e os Municípios vão ter acesso a informação da Autoridade Tributária e Aduaneira sobre a matriz predial dos prédios”, começa por indicar a nota.

“A informação servirá para a identificação e notificação dos proprietários ou detentores de imóveis, nomeadamente para o cumprimento da estratégia nacional de defesa da floresta contra incêndios e, num contexto mais alargado, para uma mais efetiva intervenção ao nível do ordenamento do território, do desenvolvimento rural e de proteção civil“, continua.

O Ministério recorda que as iniciativas da Reforma da Floresta e do Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios preveem “a cooperação institucional entre as entidades fiscalizadoras e a Autoridade Tributária e Aduaneira, uma vez que o conhecimento dos limites e da titularidade da propriedade é imprescindível para as atividades de gestão, controlo e planeamento territorial e para o sucesso da implementação da política de prevenção e combate dos incêndios”.

E recorda que os proprietários estão obrigados a “proceder à gestão de combustível”. Se não o fizerem, são os municípios os responsáveis por essa tarefa, “ressarcindo-se posteriormente das despesas em que tenham incorrido”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Limpeza de terrenos: GNR e municípios vão ter dados da AT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião