Grupo Martinhal compra terreno da antiga Universidade Independente por 15 milhões

  • Lusa
  • 5 Abril 2018

A aquisição do terreno da antiga Universidade Independente custou 15 milhões, uma compra que se insere num montante de investimento na área do Parque das Nações que ronda os 130 milhões.

O Grupo Martinhal comprou o terreno da antiga Universidade Independente, no Parque das Nações, Lisboa, por cerca de 15 milhões de euros, para avançar com uma escola internacional, foi divulgado esta quinta-feira à agência Lusa.

Responsável pela assessoria jurídica neste negócio, a PLMJ Advogados precisou que a “aquisição do terreno foi na ordem dos 15 milhões” e que a “compra deste ativo insere-se num montante de investimento na área do Parque das Nações que ronda os 130 milhões. “O Grupo Martinhal aposta numa estratégia de expansão e diversificação ao construir uma escola internacional que cobre todo o ciclo de ensino (do 1.º ao 12.º ano escolar) com capacidade para 800 a 900 alunos, a abrir no ano letivo de 2019/2020”, lê-se no comunicado do escritório de advogados.

O Grupo Martinhal aposta numa estratégia de expansão e diversificação ao construir uma escola internacional que cobre todo o ciclo de ensino (do 1.º ao 12.º ano escolar) com capacidade para 800 a 900 alunos, a abrir no ano letivo de 2019/2020.

Comunicado da PLMJ

Citada no mesmo comunicado, Sara Blanco de Morais, sócia de PLMJ Urbanismo, referiu que a “operação implicou a gestão da compra do ativo territorial, o acompanhamento da operação urbanística e planeamento do projeto de arquitetura que se encontra ainda a decorrer”.

O comprador do terreno da avenida Marechal Gomes da Costa detém ainda projetos na área da hotelaria, como o Martinhal Resort em Sagres, o Martinhal Chiado e Martinhal da Quinta do Lago.

A Universidade Independente foi encerrada em 31 de outubro de 2007 na sequência de dois processos: um de caducidade de reconhecimento de interesse público e outro de encerramento compulsivo por manifesta degradação pedagógica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo Martinhal compra terreno da antiga Universidade Independente por 15 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião