Abanca compra Deutsche Bank para crescer. Mas o que oferece aos clientes?

O Abanca comprou o negócio do banco alemão em Portugal com o objetivo de se expandir. Apesar de muitos poucos o conhecerem, o banco espanhol tem uma oferta de serviços e produtos apelativa.

Está em Portugal há vários anos, mas só nos últimos dias muitos terão sabido da existência do Abanca. As atenções voltaram-se para o banco espanhol após o anúncio da compra do Deutsche Bank, em Portugal. Com este negócio, o Abanca tem oportunidade de se expandir a partir dos quatro balcões que tem em território nacional. Apesar de estranho para muitos portugueses, uma análise mais em detalhe permite perceber que o Abanca disponibiliza aos clientes serviços e produtos com condições que podem ser consideradas atrativas face à generalidade dos concorrentes.

Os encargos associados à manutenção da conta bancária são exemplificativos disso mesmo. Há soluções mais em conta no mercado, sobretudo em bancos de menor dimensão e online, mas se formos comparar com a oferta das maiores instituições financeiras nacionais o Abanca apresenta custos, em média, mais baixos.

O encargo anual de ter uma conta bancária, cartões de crédito e de débito e realizar 24 transferências online por ano ascende a 80,08 euros no Abanca. Ou seja, 36% aquém face aos 124,72 euros cobrados, em média, pelo BCP, Novo Banco, Santander Totta e BPI.

Comissões no Abanca face aos maiores bancos

Tal deve-se em parte ao facto de, por exemplo, o Abanca não cobrar uma anuidade pelo cartão de crédito. Mas também o cartão de débito apresenta um custo mais baixo: 13,52 euros, valor que compara com anuidades entre 17 e 20 euros em vigor nos bancos maiores. Já a manutenção de conta representa um encargo anual de 41,6 euros no Abanca (saldos entre 1.000 e 2.500 euros). Nos quatro maiores bancos considerados na análise, os encargos cabem no intervalo entre 50 e 65 euros anuais.

Spreads mínimos da casa na concorrência

Fonte: Preçários dos bancos

Mas para quem pretenda fazer um crédito à habitação, o Abanca também apresenta um leque de spreads competitivo. A oferta de crédito à habitação do banco espanhol é composta apenas por uma solução de taxa fixa por um prazo de dois anos. Após os primeiros 24 meses do empréstimo, o banco aplica um spread a partir de um mínimo de 1,2%.

Ora, esse valor é inferior aos spreads mínimos disponibilizados não só pelos cinco maiores bancos portugueses, como pela quase totalidade dos bancos. Apenas o Bankinter tem um spread mínimo inferior a 1,15%.

Exige menos no crédito, paga menos nos depósitos

Menos apelativa será a sua oferta nos produtos de poupança: em específico de depósitos a prazo. Para o prazo de um ano, o Abanca apenas disponibiliza uma aplicação. Trata-se do depósito ON, cuja taxa de juro bruta é de 0,06%. Apesar de os bancos estarem a cortar cada vez mais a remuneração dos depósitos a prazo, é possível encontrar taxas de juro mais atrativas no mercado. De acordo com os dados mais recentes do Banco Central Europeu, os novos depósitos com prazo até um ano subscritos em janeiro ofereceram, em média, uma taxa de juro de 0,17%.

Será interessante perceber se, com a incorporação da atividade do Deutsche Bank em Portugal, aquele que será o futuro rumo a trilhar pelo Abanca. Uma coisa é certa: o banco já avisou que um dos seus objetivos é melhorar a sua estratégia com a banca de particulares. “A aquisição que hoje [terça-feira, 27 de março] se assinou permitirá ao Abanca reforçar a presença em Portugal (quatro balcões até à data) e permitirá melhorar a sua capacidade para negócios estratégicos para a entidade, como a banca de particulares e privada”, dizia o banco espanhol em comunicado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abanca compra Deutsche Bank para crescer. Mas o que oferece aos clientes?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião