António Ramalho: “A viabilidade do Novo Banco está mais do que provada”

  • ECO
  • 8 Abril 2018

O presidente do Novo Banco diz que não existem dúvidas sobre a sustentabilidade do banco. Quanto ao futuro, Ramalho não descarta a hipótese do Fundo de Resolução ter de emprestar mais dinheiro.

António Ramalho garante que o Novo Banco é um banco sustentável e viável. Após ter apresentado prejuízos recorde de 1,39 mil milhões de euros, o presidente da instituição diz, em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1 este domingo, que está numa “maratona de sustentabilidade” e não num “sprint de lucros”. Contudo, admitiu a hipótese de vir a ser necessário mais dinheiro do Fundo de Resolução.

“A viabilidade está mais do que provada”, garante António Ramalho, argumentando que “poucos bancos terão a capacidade para provar a viabilidade que provamos nos últimos três anos”. Para o presidente do Novo banco, apesar dos prejuízos, “as contas de 2017 são um sintoma de alguns elementos muitos positivos“. “Não julgo que haja dúvidas nenhumas sobre a sustentabilidade do Novo Banco”, insiste.

Ramalho revela que o “grosso dos problemas” está em “44 créditos fundamentais”. E acrescenta que “89% das imparidades são para empresas”, referindo que o setor da construção civil e das obras públicas é responsável por grande parte desse crédito mal parado. O presidente do Novo Banco diz que o banco estava “condenado”, mas agora é um “banco em reestruturação”. E a venda à Lone Star? “É o negócio possível, não há negócios perfeitos“, sintetiza.

Em relação ao futuro, António Ramalho admite que o Fundo de Resolução pode voltar a injetar dinheiro no Novo Banco, após a mais recente tranche de 450 milhões de euros. “Vai depender da conjugação entre os rácios e as perdas“, explica. Mas o presidente do banco tem uma missão perante os portugueses: “Os contribuintes querem que eu assegure a criação de valor deste banco para que os 25% que o Fundo de Resolução tem sejam valorizados o mais depressa possível”.

Para já continua a reestruturação do banco com a redução do número de trabalhadores e de balcões. Ramalho refere que desde que entrou houve uma redução de 160 balcões e de 1.823 trabalhadores. Neste momento o Novo Banco tem 5.457 trabalhadores, mas pretende chegar aos cinco mil. “Estamos com pressa de sermos um banco rejuvenescido“, concluiu.

(notícia atualizada a 9 de abril, às 8:38 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Ramalho: “A viabilidade do Novo Banco está mais do que provada”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião