BE avança com proposta “com o compromisso não cumprido do Governo”

  • Lusa
  • 8 Abril 2018

O Bloco de Esquerda vai apresentar um projeto-lei sobre o acesso às reformas das longas carreiras contributivas.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, anunciou este domingo que o partido apresenta na quarta-feira no parlamento um projeto-lei com “o compromisso não cumprido do Governo da segunda fase para acesso às reformas das longas carreiras contributivas”.

Em causa está a “concretização da segunda fase da revisão do regime de reformas antecipadas por flexibilização, eliminando a dupla penalização aos 63 anos para os pensionistas com longas carreiras contributivas”, que entrou na Assembleia da República na sexta-feira. O BE avançou com o debate potestativo (obrigatório) com caráter de urgência, já marcado para quarta-feira, a partir das 15:00.

Segundo Catarina Martins, com a votação deste projeto-lei, “o que está em causa é, nem mais nem menos, [saber] se o PS cumpre a expectativa que criou junto de quem trabalha há mais de 40 anos e tem direito à sua reforma”. O PS vai “cumprir o compromisso do seu Governo e votar a proposta que o BE leva a votos (…), ou não vai cumprir a expectativa que criou e chumbar o projeto do BE”, sublinhou.

A coordenadora do BE salientou que o que vai a votos “não é a proposta do BE” sobre esta matéria, não porque o partido tenha desistido dela, “mas porque, não havendo maioria por ela”, faz agora o seu “passo da convergência, que é exigir ao Governo que, pelo menos, cumpra a 2.ª fase das longas carreiras contributivas”, que tinha prometido para janeiro deste ano.

Para o BE, “é absurdo” dizer “às pessoas que a reforma está cada vez mais longe e que se já não quiserem trabalhar têm pelo menos três cortes na sua pensão para a sustentabilidade da Segurança Social”.“O que é isto? Que absurdo”, exclamou, acrescentando que “a única coisa que ataca a sustentabilidade da Segurança Social é emprego, como está à vista”.

A bloquista, que falava num almoço na cantina da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, no âmbito das comemorações do 19.º aniversário do partido, considerou que o BE mudou a esquerda ao ter provado que quando se juntam lutas não se enfraquece nenhuma.

“Cada vez que se deixou ficar a dignidade de alguém, uma luta pela igualdade para trás, ficaram todas as lutas a perder. Cada vez que juntamos forças, pela dignidade de todos, pela igualdade de todas, fizemos caminho. E essa esquerda, a esquerda hoje em Portugal, a esquerda na Europa é diferente, porque o BE foi capaz de a mudar”, disse.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE avança com proposta “com o compromisso não cumprido do Governo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião