Reestruturação do banco de investimento da CGD avança. Vão sair mais funcionários

  • Rita Atalaia
  • 9 Abril 2018

O banco de investimento da Caixa Geral de Depósitos vai mesmo passar por uma reestruturação. O plano, aprovado esta segunda-feira, levará a uma maior integração com a CGD e à saída de funcionários.

A reestruturação do banco de investimento da Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai mesmo avançar. O plano foi aprovado esta segunda-feira em assembleia geral (AG) de acionistas. Apesar de o banco estatal garantir que o CaixaBI vai manter a autonomia, terá de haver uma maior integração comercial e operacional com o resto do grupo. O objetivo será fazer mais negócio com menos custos, incluindo com trabalhadores.

Em cima da mesa da assembleia geral do CaixaBI estavam vários pontos, incluindo o relatório de gestão e as contas respeitantes ao exercício de 2017, a política de remuneração dos membros da administração e fiscalização, mas também o plano de reestruturação do banco de investimento da instituição financeira liderada por Paulo Macedo. “O plano de reestruturação do do CaixaBI foi aprovado hoje em AG”, afirmou fonte oficial da CGD ao ECO.

Segundo fonte próxima do processo, este plano não vai retirar a autonomia do CaixaBI. Vai, sim, obrigar a uma maior integração comercial e operacional com a CGD, como já tinha avançado o Jornal de Negócios. O banco estatal detém 94,045% do capital do banco de investimento, enquanto a Caixa Participações é dona de 5,705%. O restante capital do CaixaBI encontra-se disperso por outros acionistas minoritários.

Neste processo de reestruturação, que já levou o CaixaBI a vender a antiga sede à seguradora Zurich, “haverá atividades que tendencialmente passarão a ser apenas desenvolvidas na CGD, focando o CaixaBI nas atividades onde tem competências diferenciadas e de maior valor acrescentado como a assessoria em fusões e aquisições, estruturação de financiamentos, restruturação financeira de empresas, mercado de capitais, corretagem e estruturação de produtos de tesouraria para empresas”, explica a mesma fonte ao ECO.

Haverá, por isso, uma maior integração de áreas de suporte, como operações, informática e contabilidade, mas sem que haja uma “extinção” das mesmas. E, neste sentido, vão continuar a sair funcionários do CaixaBI. Questionada pelo ECO, fonte oficial não revelou quantos serão afetados pela reestruturação.

O CaixaBI terminou o ano passado com um total de 136 colaboradores, quando tinha 178 funcionários no ano anterior — saiu quase um quinto dos trabalhadores. Fonte próxima explica que estas saídas resultam, contudo, do plano de redução do grupo, através de reformas ou acordos de rescisão, e não de objetivos específicos para o banco de investimento.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reestruturação do banco de investimento da CGD avança. Vão sair mais funcionários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião