TAP vende dois aviões ao China Development Bank

  • ECO
  • 10 Abril 2018

Transportadora portuguesa vendeu dois dos 14 novos aviões A330-900Neo que encomendou à Airbus ao China Development Bank. Mas vai manter os equipamentos em regime de leasing.

Dois dos novos Airbus A330-900Neo que a TAP tem encomendados foram já vendidos ao China Development Bank. O contrato estabelece, porém, que a transportadora portuguesa vai manter os dois aviões em regime de leasing.

De acordo com a agência Reuters, o preço de tabela destes dois aviões é de cerca de 592,8 milhões de dólares, cerca de 480 milhões de euros.

O consórcio Atlantic Gateway, que detém a maioria do capital da companhia aérea portuguesa, encomendou à fabricante Airbus 14 aeronaves A330neo. O primeiro dos aviões deverá chegar a Portugal em julho, com um atraso significativo face a inicialmente esperado — a transportadora esperava ter começado a receber os aviões no final de 2017.

A TAP está a fazer um investimento significativo na renovação da frota. Em causa estão 70 milhões de euros, não só para a compra de novos aparelhos, mas também para atualizar os interiores da frota existente. Em 2015, a TAP anunciou que ia acrescentar 53 novos aviões à sua frota, onde se incluem estes 14 A330neo, as novas aeronaves de longo curso da Airbus. O antigo presidente da TAP, Fernando Pinto, reconheceu que Antonoaldo Neves, o seu sucessor, tinha “um enorme desafio” pela frente porque a TAP está “a fazer um grande investimento na compra de aeronaves, por isso, a gestão da tesouraria tem de ser extremamente consciente”. “Mas ele está bem preparado”, ressalvou, em entrevista ao Jornal das 8, na TVI.

A compra destes aparelhos obriga ainda a TAP a contratar mais pilotos. Em causa está contratação de 170 novos pilotos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP vende dois aviões ao China Development Bank

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião