Acionistas chineses da TAP enfrentam crise de liquidez. Agora querem eliminar 100 mil postos de trabalho

  • ECO
  • 28 Fevereiro 2018

A HNA, a empresa chinesa que detém uma participação na TAP, está a planear reduzir cerca de um quarto da sua força laboral ainda este ano, numa altura em que enfrenta uma crise de liquidez.

A HNA, a empresa chinesa que detém uma participação na transportadora portuguesa TAP, planeia reduzir 100 mil empregos, ou cerca de um quarto da sua força laboral, ainda este ano. A acontecer, esta será uma das maiores vagas de despedimentos da empresa, numa altura em que enfrenta uma crise de liquidez.

Os trabalhadores das áreas de recursos humanos, operações de negócios e reestruturação de ativos serão os mais afetados por esta redução, avança a REED, citada pela Bloomberg. Uma decisão que já foi comunicada aos funcionários. Contactado, um responsável da HNA não comentou de imediato estas notícias.

Os acionistas chineses da TAP admitiram, no início deste ano, estarem a passar por uma crise financeira, em parte devida à elevada dívida e às dificuldades de financiamento. Chen Feng, o chairman do conglomerado chinês, explicou que, na base disso, está um “grande número de fusões” feitas pela empresa, numa altura em que o ambiente financeiro externo se tornou mais desafiante e a economia da China “passou de um crescimento rápido a moderado”, o que dificultou o acesso a financiamentos.

Nos últimos anos, o grupo chinês aumentou de forma exponencial o seu endividamento fruto das várias aquisições realizadas. Gastou 50 mil milhões de dólares com a compra de vários negócios a nível internacional.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acionistas chineses da TAP enfrentam crise de liquidez. Agora querem eliminar 100 mil postos de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião