Défice na Associação Mutualista agrava-se para 300 milhões

  • ECO
  • 28 Fevereiro 2018

As contas consolidadas de 2016 do grupo Montepio ainda não estão fechadas. Mas podem revelar capitais próprios negativos entre 300 e 350 milhões de euros.

As contas consolidadas de 2016 do grupo Montepio ainda não estão fechadas. Mas podem revelar capitais próprios negativos entre 300 e 350 milhões de euros. Ou seja, um agravamento de pelo menos mais de 200 milhões de euros face ao que foi registado no exercício anterior.

A dimensão final deste desequilíbrio pode ainda estar dependente de um facto subsequente que liberte capital, avança o Público (acesso condicionado), que explica que este facto poderá tratar-se de desinvestimento que liberte capital e ajude a fixar os capitais próprios num montante menos negativo. Por exemplo, a venda de 60% da Montepio Seguros aos chineses da CEFC Energy Company Limited, negócio assinado no final do ano passado mas que ainda não foi concretizado.

Questionada pelo Público, a Associação Mutualista “desmente categoricamente que o valor apurado seja o referido, uma vez que as contas ainda não estão fechadas e consequentemente auditadas. Uma vez que não tem qualquer fundamento, não alimenta qualquer especulação”.

O jornal escreve ainda que o Conselho Geral da Associação Mutualista, dona do Montepio, se vai reunir esta quarta-feira para aprovar o relatório de atividade. Na mesma reunião, poderão ainda ser discutidos ajustes nas listas candidatas aos órgãos sociais da Caixa Económica Montepio Geral, neste momento ainda espera da luz verde do Banco de Portugal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Défice na Associação Mutualista agrava-se para 300 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião