Futuro CEO do Montepio sob pressão por dívidas bancárias

  • ECO
  • 22 Fevereiro 2018

O nome do futuro presidente do Montepio está envolto em polémica. Em causa está o facto de Nuno Mota Pinto ter constado da lista dos devedores do Banco de Portugal até dezembro passado.

Dois conselheiros da Associação Mutualista Montepio Geral manifestaram-se contra a composição da nova equipa escolhida por Tomás Correia para liderar o Montepio. Sem referirem nomes, os dois conselheiros alegavam que um dos membros teve uma dívida em atraso à banca em dezembro de 2017.

Agora o mistério é desfeito e o alvo das criticas é nada mais, nada menos, que o nome escolhido para presidente da instituição: Nuno Mota Pinto, segundo escreve o Jornal de Negócios (acesso pago), esta quinta-feira.

O gestor terá tido uma dívida de 80 mil euros ao BES, tendo constado na lista de devedores do Banco de Portugal até 12 de dezembro. A partir do dia 13, o nome de Mota Pinto deixou de constar das listas pois a dívida terá sido reestruturada pelo Novo Banco.

Mas esta não é a única crítica de Carlos Areal e Viriato M. Silva, os dois conselheiros, que despoletaram a polémica. Segundo estes a nova equipa de gestão da CEMG “tem falta de experiência naquilo que deveria ser o seu negócio core, a banca de retalho”. E acrescentam que existe “uma pessoa em que sobram conflitos de interesses entre a sua pertença aos órgãos sociais e as suas ligações enquanto cliente”.

Fonte oficial da Mutualista recusou-a a comentar o tema, confirmando apenas que os nomes escolhidos para a comissão executiva já foram enviados para o Banco de Portugal. Já o Banco de Portugal garante que o processo decorre dentro do disposta na lei.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Futuro CEO do Montepio sob pressão por dívidas bancárias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião