Ameaças de Trump à Rússia põem petróleo em máximos de três anos

  • Rita Atalaia
  • 11 Abril 2018

O presidente dos EUA disse à Rússia "para se preparar" para um ataque norte-americano contra a Síria. Ameaças que levaram os preços do petróleo a dispararem. O Brent segue acima dos 70 dólares.

Donald Trump continua a agitar os mercados. O presidente dos EUA disse à Rússia para “se preparar” para o lançamento de um míssil norte-americano contra a Síria. Ameaças que levaram os preços do petróleo nos mercados internacionais a subirem para máximos de mais de três anos. O Brent segue acima do patamar dos 70 dólares.

Numa sessão matutina de tweets, o presidente dos Estados Unidos dirigiu-se aos russos, dizendo que “os mísseis vão chegar, agradáveis, novos e ‘inteligentes’”. A ameaça à Rússia — que se segue ao alegado ataque químico em território sírio, que matou dezenas de pessoas na zona de Damasco — levou os preços do petróleo a subirem nos mercados internacionais. O Brent, negociado em Londres, avança 2,41% para 72,75 dólares, o valor mais elevado em mais de três anos. Já o WTI, negociado em Nova Iorque, acelera 2,67% para 67,26 dólares.

Brent segue acima dos 70 dólares

“A subida [dos preços] deveu-se totalmente ao tweet de Trump, que deixou o mercado a analisar as palavras de Trump”, afirma John Kilduff, fundador do hedge fund Again Capital. A questão agora é perceber se o presidente dos EUA vai dar ordem para que os militares atinjam apenas a Síria ou se também vai referir o Irão, acrescenta.

“A promessa da Rússia é derrubar todo e qualquer míssil disparado contra a Síria. Prepara-te Rússia porque eles vão chegar, agradáveis, novos e ‘inteligentes’”, escreveu o presidente, na sua conta oficial do Twitter.

O Governo de Vladimir Putin nega que tenha acontecido qualquer ataque envolvendo mísseis químicos, juntando-se também às vozes sírias que afirmam que apenas os grupos da oposição, aos quais chamam “terroristas”, têm acesso a armas químicas.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Ameaças de Trump à Rússia põem petróleo em máximos de três anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião