Clientes do Santander já podem fazer transferências através da blockchain

  • Juliana Nogueira Santos
  • 12 Abril 2018

O banco espanhol é o primeiro a utilizar esta tecnologia nos seus serviços. Botín diz que é a primeira vez de muitas inovações assentes no blockchain.

A banca não conseguiu resistir por mais tempo aos encantos da blockchain e… rendeu-se. O Santander tornou-se o primeiro grande banco a juntar a tecnologia aos seus serviços, disponibilizando agora uma ferramenta de transferências internacionais baseada na blockchain.

Chama-se Santander One Pay FX e torna possível efetuar transferências para países diferentes no dia seguinte e, em alguns casos, até no mesmo dia. Esta rapidez permite também que seja apresentada a quantia exata que vai ser recebida, na moeda de destino, mesmo antes de ser feita a transferência.

Numa primeira fase, o serviço só estará disponível para os clientes espanhóis, britânicos, brasileiros e polacos. Para além disto, cada país vai ter opções de pagamento diferentes, sendo que o banco afirma que nos próximos meses vai alargar a oferta a países e divisas

Em comunicado, o banco espanhol explica que este novo serviço utiliza a xCurrent, uma tecnologia desenvolvida pela norte-americana Ripple, na qual o fundo de investimento do Santander investiu 200 milhões de dólares em 2013.

“O nosso objetivo é ajudar os milhares de pessoas que utilizam os serviços de pagamentos internacionais todos os dias, sendo que vamos acrescentar mais moedas e destinos nos próximos meses”, apontou Ana Botín, no mesmo comunicado.

“A tecnologia blockchain oferece grandes oportunidades para melhorar os serviços que prestamos aos nossos clientes”, continua ainda a líder do banco, afirmando que esta é a “primeira de muitas funcionalidades” a utilizar esta tecnologia.

O ECO contactou o Santander Portugal a fim de saber se já existe uma data prevista para a implementação do serviço em território nacional, não tendo recebido resposta até ao fecho desta peça.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Clientes do Santander já podem fazer transferências através da blockchain

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião