Governo português testa blockchain. Tem 90.000 euros para dar

Portugal procura ideias para encarar os 17 desafios da Agenda 2030. O Governo tem 90.000 euros para dar a três startups que concorram à iniciativa GovTech. A votação é feita com moeda virtual.

O Governo português está a testar a tecnologia blockchain, o sistema que está na base da moeda virtual bitcoin. Para isso, vai criar uma espécie de moeda virtual, sem valor real, mas que ditará quais vão ser as startups a ganhar os três prémios de 30.000 euros que estão em jogo. No GovTech, a comunidade é desafiada a arregaçar as mangas e pôr mãos à obra, apresentando projetos que poderão ganhar escala a nível mundial. Para isso, as ideias têm de ser inovadoras e enquadrar-se num dos 17 objetivos globais da Agenda 2030.

Como funcionará isto? As candidaturas podem ser submetidas pelos interessados a partir de 2 de maio e até ao dia 8 de junho, num site que ainda está a ser desenvolvido para o efeito. Todos os portugueses poderão, depois, autenticar-se na plataforma via chave móvel digital e reclamar um saldo em tokens (moedas), que poderão usar, depois, para “investir” nos projetos que despertarem mais interesse. A plataforma está a ser desenvolvida pela Bright Pixel.

“É quase como se [os portugueses] fossem coinvestidores num projeto”, explicou ao ECO a secretária de Estado da Modernização Administrativa, Graça Fonseca, salientando, porém, que se investe “numa unidade que se esgota no dia em que acabar”. “Naturalmente, nós não estamos a emitir moeda virtual”, referiu a governante. A intenção, sim, é aproveitar uma tecnologia cada vez mais popular para gerar comunidade e promover um projeto transparente. Se funcionar bem, a porta fica aberta a futuras aplicações.

Graça Fonseca continuou: “Na prática, estamos a falar de votos”. Quer o júri que vai existir no concurso, quer os cidadãos que se inscreverem, vão dispor de um saldo em “GOVTECH” para fazer esses “coinvestimentos”, dando mais probabilidade a esta ou àquela startup de ganhar um dos cabazes de 30.000 euros em dinheiro real que estão em jogo. Isto numa altura em que “muitos dos novos produtos e serviços” que vão surgindo “já estão muito alinhados com os objetivos da Agenda 2030” — só não sabem que o estão, indicou a secretária de Estado.

Hoje em dia, muitos dos novos produtos e serviços que estão a surgir na comunidade empreendedora estão muito alinhados com os objetivos da Agenda 2030. Provavelmente, muitos nem sequer têm a noção de que estão.

Graça Fonseca

Secretária de Estado da Modernização Administrativa

A votação dos projetos decorre até setembro, mas o dinheiro, apesar de ser uma ajuda, não é tudo na vida. Os vencedores poderão também escolher uma incubadora da rede nacional onde desenvolver a ideia, ter apoio à internacionalização (as ideias têm de encarar desafios globais, lembra-se?), ganham também três bilhetes Alpha para o Web Summit e têm a hipótese de celebrar um protocolo com o Estado para desenvolver e testar o respetivo produto ou serviço.

Esta é uma forma encontrada pelo executivo para encarar o compromisso assumido perante a Organização das Nações Unidas nos chamados “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”. Como lembrou Graça Fonseca, tratou-se de “um conjunto vasto de compromissos para os Estados” que foi “aprovado por unanimidade pela Assembleia Geral das Nações Unidas”, tendo como foco a geração de ideias que contribuam para objetivos globais como “erradicar a pobreza e a fome” ou “reduzir as desigualdades”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo português testa blockchain. Tem 90.000 euros para dar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião