Preço do gás natural volta a baixar este ano. Descida é de 0,2%

A partir de julho, a fatura do gás deverá baixar, em média, 2 cêntimos para um casal sem filhos e 5 cêntimos para um casal com dois filhos.

Os preços do gás natural deverão voltar a cair este ano. A ser aceite a proposta da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, este será o quarto ano consecutivo de descidas nos preços do gás, praticados no mercado regulado. A redução será, no entanto, ligeira, de apenas 0,2%.

As tarifas propostas pela ERSE são para o período de julho de 2018 a junho de 2019. O regulador propõe que os clientes do mercado regulado com baixa pressão e consumo inferior a 10 mil metros cúbicos por ano, grupo que abrange os consumidores domésticos, vejam a tarifa do gás cair em 0,2%.

Assim, calcula o regulador, um casal sem filhos com uma fatura média mensal de 11,83 euros por mês terá uma redução de apenas 2 cêntimos no próximo ano. Já um casal com dois filhos que paga uma média de 22,12 euros por mês vai ver a fatura reduzida em 5 cêntimos.

Os consumidores com a tarifa social vão continuar a beneficiar de um “desconto de 31,2% sobre as tarifas transitórias de venda a clientes finais”, refere a ERSE. Aqueles com um consumo superior a 10 mil metros cúbicos por ano deverão beneficiar de uma redução dos preços de 4,2%.

“A evolução das tarifas para o ano gás 2018-2019 insere-se numa tendência consolidada nos últimos anos, fruto das opções regulatórias que a ERSE tem tomado, designadamente as revisões em baixa das taxas de remuneração aplicada às infraestruturas do Sistema Nacional de Gás Natural ou a maior exigência imposta aos custos de exploração das atividades reguladas através das metas de eficiência”, justifica a ERSE.

(Notícia atualizada pela última vez às 18h35 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preço do gás natural volta a baixar este ano. Descida é de 0,2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião