Empresas e universidades aliam-se para levar Blockchain à economia portuguesa

Acaba de nascer a Aliança Portuguesa do Blockchain. CIONET juntou-se à Vodafone, IBM, REN e Fidelidade, bem como a algumas universidades para levar o Blockchain à economia nacional.

Empenhada no aproveitamento das oportunidades que a tecnologia pode trazer, a CIONET (a maior comunidade de executivos de TI na Europa) acaba de se juntar a múltiplas empresas e universidades nacionais para formar a Aliança Portuguesa de Blockchain. Entre os parceiros estão nomes tão sonantes como o da Vodafone, o do IBM, o da REN e o da Fidelidade.

Não estamos a falar de modas, estamos a falar de tecnologias que se pretende que perdurem no tempo“, sublinhou, esta quarta-feira, o presidente do IAPMEI, no evento de apresentação desta nova associação. Jorge Marques dos Santos diz acreditar que o Blockchain pode constituir-se “um poderoso aliado das empresas para obterem ganhos competitivos relevantes” e, portanto, é importante promover a sua “ampla mobilização”.

Já de acordo com o managing partner da CIONET, em causa está uma novidade tecnológica que vai ter “o mesmo impacto que a Internet teve há uns anos”, estando a ser criada, neste momento, uma “Internet do valor”, na qual a confiança e a segurança são as linhas fundamentais. “A Aliança tem essencialmente o objetivo de ajudar a desenvolver conhecimentos na área do Blockchain e gerar soluções de natureza e raiz portuguesa”, realçou Rui Serapicos.

Para cumprir a sua missão de sensibilização para esta tecnologia, a Aliança Portuguesa de Blockchain delineou uma estratégia baseada em três pilares: ações de informação junto das empresas e das universidades; desafios lançados por grandes companhias a estudantes e empreendedores; e uma grande conferência a ser realizada no final do ano.

Aliança Portuguesa de Blockchain quer ligar empresas e universidade em torno desta tecnologia.DR

Três desafios, quantas soluções?

REN, Fidelidade e Abreu Advogados acabam de convidar estudantes e empreendedores a responderem a três desafios com soluções baseadas nesta tecnologia através do portal da Aliança Portuguesa do Blockchain.

“O dinamismo de mercado de energia teve um salto enorme devido às energias renováveis. Prevê-se que com a produção própria, haja uma explosão de entidades”, conta o CIO da REN. Segundo Tiago Azevedo, nesse quadro e para que todos esses pequenos produtores tenham a oportunidade de venderem a sua energia a um valor competitivo, é preciso que se crie uma rede segura. O Blockchain pode ser a chave desse processo, garante o representante, e é, por isso, que a empresa aderiu à associação e colocou esse desafio a todos os interessados.

Já a Fidelidade quer encontrar propostas no campo dos micro seguros. “Temos estado preocupados em como endereçar com o Blockchain a criação uma proposta diferente de negócio por via da eficiência, a criação de novos modelos de governance e a criação de novos modelos de negócio que nunca ninguém pensou porque não havia Blockchain“, realçou João Pedro Machado, representante da empresa.

Em terceiro lugar, a Abreu Advogados está interessada em acolher soluções na área de smart contracts, isto é, como usar Blockchain para criar contratos inteligentes e mais eficientes.

As soluções apresentadas no portal da Aliança serão depois avaliadas e as vencedoras acabarão por ser mesmo desenvolvidas pelas empresas que lançaram os desafios, ficando à escolha dessas entidades se assumem ou não como sua a propriedade intelectual dos projetos premiados. Além disto, Serapicos adianta que estão a ser negociadas linhas de crédito para constituição de empresas tecnológicas, que poderão ser entregues a estes empreendedores.

Aliança Portuguesa de Blockchain foi apresentada esta quarta-feira.

Conhecimento é a chave

Dotar o sistema económico português de conhecimentos sólidos sobre Blockchain é o principal objetivo desta aliança que acaba de ser anunciada. Para o concretizar, além dos desafios referidos, estão previstos roadshows universitários e empresariais em parceria com o IAPMEI.

Esses eventos, que acontecerão em diversos locais do país, debruçar-se-ão sobre as novas formas de utilizar e aproveitar esta tecnologia, aumentando a competitividade do tecido empresarial português.

Também a Microsoft quer ajudar nesta tarefa, tendo acordado recentemente que irá disponibilizar conteúdos para o portal em causa na área, é claro, do Blockchain.

“Temos a capacidade de acordar as pessoas para perceberem que isto não é uma moda, é um paradigma de mudança”, sublinhou o representante da Católica Lisbon School of Business & Economics, durante no evento.

Quanto à ligação à recém-formada Associação Portuguesa de Blockchain e Criptomoedas, a CIONET esclarece que “existem sinergias muito interessantes”, mas não há um elo formal. “O nosso objetivo é colaborar”, salienta Rui Serapicos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas e universidades aliam-se para levar Blockchain à economia portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião