Depois do Facebook e da Google, Twitter também ataca criptomoedas

Twitter acaba de anunciar que vai proibir a maior parte da publicidade às criptomoedas. Rede social segue assim a estratégia adotada pela Google e pelo Facebook para combater e prevenir a fraude.

De braço dado com a Google e com o Facebook, o Twitter acaba de anunciar que vai bloquear a maior parte da publicidade às criptomoedas. Segundo a agência Reuters, a nova política desta rede social prevê a proibição de anúncios que promovam a venda de créditos e serviços de carteira de moedas digitais ou divulguem bolsas de negociação de criptomoedas, bem como impede a publicidade de ofertas públicas iniciais de moedas (ICOs).

No início do mês, a plataforma liderada por Jack Dorsey já tinha adiantado que estava a preparar medidas de combate às contas ligadas a este tipo de moedas que interagem “de maneira enganosa”. Nessa altura, o Twitter chegou mesmo a receber pedidos para que fosse “mais duro”, seguindo a batuta da rede social de Zuckerberg e da gigante liderada por Sundar Pinchai.

A nova política, que entrará em vigor nos próximos 30 dias, pretende não só lutar contra a fraude, como também mitigar os grandes prejuízos dos potenciais investidores.

A Google anunciou, há duas semanas, que vai passar a proibir, a partir de junho, os anúncios relacionados com criptomoedas, nas suas múltiplas plataformas. De acordo com a gigante, a medida tem como objetivo proteger os utilizadores das “burlas online“.

Em janeiro, o Facebook já tinha aberto guerra a este tipo de publicidade. Na nova política da rede social, está estipulado o bloqueio de “anúncios que promovam produtos financeiros e serviços que são frequentemente associados a práticas promocionais enganosas, como opções binárias, ofertas iniciais de moedas e criptomoedas”. Caso a norma seja violada, a empresa prevaricadora é banida da plataforma.

Proibições afundam criptomoedas

Depois de, no final do ano passado, terem vivido tempos áureos, as criptomoedas vivem agora tempos difíceis.

A divulgação da nova política do Twitter fez a Bitcoin — a moeda digital mais conhecida — desvalorizar 3,35% para os 7.876,76 dólares, agravando-se a distância face ao seu máximo histórico de 19 mil dólares atingida no final do último ano.

Na semana passada, na cimeira dos G20, os líderes da economia mundial determinaram que até julho devem ser dados os primeiros passos no sentido de uma regulação unificada relativa a este tipo de moedas. Apesar dos receios que se têm gerado em torno desta tecnologia, os ministros das Finanças e líderes dos bancos centrais defenderam que se adivinham “imensas oportunidades económicas”.

Por cá, a CMVM recomendou aos bancos e corretoras nacionais para que se abstenham de vender este tipo de instrumentos financeiros. A entidade considerou que, antes de regular o novo setor, é preciso entender a sua complexidade e seriedade. Para o regulador, é necessária uma “classificação dos investimentos” e só depois será possível “avançar para a regulação neutra”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois do Facebook e da Google, Twitter também ataca criptomoedas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião