Loucura com as criptomoedas deixa corretoras sem mãos. Querem contratar mais de 1.000 pessoas

Coinbase, Kraken e Circle querem duplicar o staff e contratar mais de 1.000 pessoas até ao final deste ano. Mas a falta de profissionais nas áreas da blockchain e criptomoedas está a ser um problema.

O rally no preço da bitcoin no ano passado resultou em fortes receitas para as plataformas que permitem transacionar criptomoedas. Agora, querem duplicar o staff até ao final do ano.Pexels

Três das principais corretoras (exchanges) de criptomoedas — que permitem, exclusivamente, transacionar moedas digitais — querem duplicar o número de funcionários durante este ano. Em conjunto, a Coinbase, a Kraken e a Circle procuram mais de 1.000 profissionais numa área que ainda é de nicho. Ou seja, apesar da vasta oferta de emprego, os departamentos de recursos humanos destas empresas não terão uma vida fácil pela frente.

Ora, no ano passado, a bitcoin, que é a maior e mais conhecida criptomoeda, namorou máximos de 20.000 dólares e, apesar de uma correção, fechou o ano a multiplicar por 11 o seu valor. As corretoras não estavam preparadas para este rally e, sobretudo, para a quantidade de novos utilizadores que o mesmo acabou por gerar. O resultado? Durante o ano, sobretudo nos períodos de maior volatilidade, plataformas como a Coinbase registaram problemas e disrupções de serviço. Algumas vezes, os investidores viram-se mesmo impedidos de transacionar em períodos críticos.

Este facto levou ainda plataformas a bloquearem os registos de novos utilizadores durante algum tempo, acabando por impor condições aos novos investidores no momento de criarem uma conta. Agora, estas empresas querem contratar em massa para poderem dar despacho a toda a carga de trabalho que deverá existir. Segundo o Business Insider, Coinbase, Kraken e Circle estão à procura de mão-de-obra para o departamento de back office e outras funções relacionadas com os problemas que foram enfrentados no decorrer do ano passado.

De acordo com o mesmo jornal, a Coinbase tem, aproximadamente, 50 ofertas de emprego ativas no LinkedIn, a conhecida rede social de negócios. A empresa britânica planeia passar de 250 para 500 trabalhadores este ano. Já a Kraken quer contratar 800 pessoas este ano. Quanto à Circle, quer passar dos 200 para os 400 trabalhadores até ao final do ano.

Mas uma coisa é querer, outra coisa é fazer. Capacidades profissionais na área das criptomoedas e da blockchain não são assim tão comuns, o que deverá resultar numa grande dor de cabeça para os responsáveis de recursos humanos. A explicar este facto estarão dois grandes motivos: por um lado, a área das criptomoedas ainda é de nicho; por outro, muitos dos profissionais com conhecimentos profundos nesta área já são financeiramente independentes, sublinha o mesmo jornal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Loucura com as criptomoedas deixa corretoras sem mãos. Querem contratar mais de 1.000 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião