Paris quer que Airbnb retire anúncios de casas sem registo

  • Rita Atalaia
  • 12 Abril 2018

A capital francesa pediu a um tribunal que obrigue plataformas com o Airbnb a retirarem todos os anúncios de casas que não estejam devidamente registadas.

Paris quer que o Airbnb retire todos os anúncios de casas que não estão registadas. São, ao todo, dezenas de milhares os anúncios de arrendamento que não cumprem com as leis na capital francesa, um dos maiores mercados da empresa.

A cidade francesa pediu a um tribunal que force o Airbnb — e outras plataformas mais pequenas — a retirarem todos os anúncios que não cumprem com a lei que obriga todos os arrendamentos publicitados em plataformas como o Airbnb a terem um número de registo, avança o canal France 24. Em Portugal, os proprietários que queiram registar uma casa para arrendamento local num destes sites também têm de preencher um campo obrigatório onde inserem o número de registo do seu alojamento no Registo Nacional do Turismo.

O Airbnb diz que a decisão de Paris é “dececionante”. A plataforma afirma que a “regulação aplicada aos arrendamentos a turistas em Paris é complexa, confusa e mais adequada para profissionais do que para particulares”. Apesar de se mostrar descontente, a empresa diz estar disposta a trabalhar com as autoridades na criação de “regras simples, claras e adequadas para todos”.

As autoridades francesas, assim como outras em todo o mundo, têm aumentado as restrição ao Airbnb. Isto depois de receberem queixas de hoteleiros, assim como de residentes que acusam este tipo de arrendamento de estar a alimentar a especulação no mercado imobiliário. No final do ano passado, Paris limitou o número de dias a que cada pessoa pode arrendar a sua casa durante um período curto a 120 dias por ano. Isto numa cidade em que há cerca de 65 mil casas registadas — não muito abaixo dos 80 mil quartos de hotel.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paris quer que Airbnb retire anúncios de casas sem registo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião