Portugueses são dos que menos utilizam Uber e Airbnb

Entre os Estados-membros da União Europeia, os portugueses são dos que menos reservam alojamento ou transporte via online. Empresas como o Airbnb ou a Uber são os serviços mais conhecidos.

Em média, 17% dos cidadãos da União Europeia já reservaram alojamento através da internet. Em Portugal, a percentagem cai para os 6%. O mesmo acontece na reserva online de serviços de transporte: a média dos Estados-membros é 8%, já em Portugal é de 2%. Os dados foram revelados esta quarta-feira pelo Eurostat, fruto de um inquérito realizado este ano sobre o uso da tecnologia pelos agregados familiares europeus.

Utilização em Portugal em perspetiva

Fonte: Eurostat

Os sites e as aplicações são os mediadores utilizados pelos cidadãos europeus para contratar estes serviços peer-to-peer que fazem parte da economia partilhada. É o caso do Airbnb e da Uber cujas plataformas são mediadoras de uma relação comercial entre um cliente e um prestador de serviços. Na União Europeia, há mais clientes a utilizar este tipo de plataformas para alojamento do que para transporte.

Na comparação entre os Estados-membros, os britânicos são os que mais usam ambos os serviços. No caso do alojamento, um em cada três cidadãos do Reino Unido reservou alojamento online nos últimos 12 meses — no topo seguem-se países como o Luxemburgo, a Irlanda, Malta e a Holanda. Em contraste está Portugal, na cauda da tabela, apenas à frente da República Checa, Chipre e Roménia.

Utilização por faixa etária

Fonte: Eurostat

No caso do transporte, os britânicos continuam a estar bem acima da média da União Europeia, acompanhados pela Estónia, a Irlanda, França e Malta. Portugal também está nos lugares mais baixos, apenas à frente do Chipre e da Roménia.

Em quase todos os Estados-membros, a percentagem de clientes que usaram websites ou apps para alojamento foi superior à percentagem que usou para transporte. Essa tendência só não se verificou na Estónia e na República Checa.

Os serviços de alojamento são mais usados pela camada etária entre os 25 e 54 anos. Já os serviços de transporte são mais utilizados pelos jovens entre os 16 e os 24 anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses são dos que menos utilizam Uber e Airbnb

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião