PSD ataca elevada carga fiscal. Faltam reformas no PE

O maior partido da oposição diz que o Programa de Estabilidade apresentado pelo Governo tem falta de ambição e que é feito à custa da elevada carga fiscal que recai sobre os contribuintes.

A pesada carga fiscal e a falta de reformas são as principais críticas feitas pelo PSD ao Programa de Estabilidade apresentado pelo Governo nesta sexta-feira. Em representação do partido, António Leitão Amaro, critica a insistência do Governo em manter a mais elevada carga fiscal de sempre, falando ainda de falta de ambição nas reformas por parte do Executivo liderado por António Costa.

“O que país precisava era de crescer mais e de ter melhor Estado. Este não é um Programa de Estabilidade que o faça”, começou por dizer o porta-voz do PSD após a divulgação do Programa de estabilidade para o período 2018-2022, para acrescentar logo de seguida que se trata de um documento que “traz uma economia que abranda” e que vai divergir do resto da Europa.

“Isso não é bom. Isso, é falta de ambição e acontece simplesmente porque este Governo não faz reformas e os documentos que hoje recebemos confirmam isto“, diz ainda.

No que respeita ao rumo escolhido pelo executivo no que respeita às finanças públicas, António Leitão Amaro diz que o seu partido não é contra a consolidação orçamental, mas sim em relação ao caminho escolhido.

“A consolidação orçamental, a redução do défice e a redução da dívida nem deviam estar em discussão. Devem ser feitos. Aquilo que entendemos que deve ser discutido e o qual temos a maiores reservas é como se está a lá chegar“, diz, criticando a insistência em manter a elevada carga fiscal.

“Esta opção que é visível no programa de estabilidade de insistir em manter em Portugal, a carga fiscal mais elevada de sempre em Portugal, significa que este Governo e esta maioria de esquerda querem continuar a cobrar aos portugueses uma parte do seu rendimento como nunca tiveram de entregar em impostos”.

“Gostávamos de receber um programa que trouxesse não menos mas mais crescimento, não menos mas mais investimento”, disse ainda, acrescentando que “o Governo não pode ter baixa ambição. Deve fazer reformas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD ataca elevada carga fiscal. Faltam reformas no PE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião