PSD ataca elevada carga fiscal. Faltam reformas no PE

O maior partido da oposição diz que o Programa de Estabilidade apresentado pelo Governo tem falta de ambição e que é feito à custa da elevada carga fiscal que recai sobre os contribuintes.

A pesada carga fiscal e a falta de reformas são as principais críticas feitas pelo PSD ao Programa de Estabilidade apresentado pelo Governo nesta sexta-feira. Em representação do partido, António Leitão Amaro, critica a insistência do Governo em manter a mais elevada carga fiscal de sempre, falando ainda de falta de ambição nas reformas por parte do Executivo liderado por António Costa.

“O que país precisava era de crescer mais e de ter melhor Estado. Este não é um Programa de Estabilidade que o faça”, começou por dizer o porta-voz do PSD após a divulgação do Programa de estabilidade para o período 2018-2022, para acrescentar logo de seguida que se trata de um documento que “traz uma economia que abranda” e que vai divergir do resto da Europa.

“Isso não é bom. Isso, é falta de ambição e acontece simplesmente porque este Governo não faz reformas e os documentos que hoje recebemos confirmam isto“, diz ainda.

No que respeita ao rumo escolhido pelo executivo no que respeita às finanças públicas, António Leitão Amaro diz que o seu partido não é contra a consolidação orçamental, mas sim em relação ao caminho escolhido.

“A consolidação orçamental, a redução do défice e a redução da dívida nem deviam estar em discussão. Devem ser feitos. Aquilo que entendemos que deve ser discutido e o qual temos a maiores reservas é como se está a lá chegar“, diz, criticando a insistência em manter a elevada carga fiscal.

“Esta opção que é visível no programa de estabilidade de insistir em manter em Portugal, a carga fiscal mais elevada de sempre em Portugal, significa que este Governo e esta maioria de esquerda querem continuar a cobrar aos portugueses uma parte do seu rendimento como nunca tiveram de entregar em impostos”.

“Gostávamos de receber um programa que trouxesse não menos mas mais crescimento, não menos mas mais investimento”, disse ainda, acrescentando que “o Governo não pode ter baixa ambição. Deve fazer reformas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD ataca elevada carga fiscal. Faltam reformas no PE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião