Airbnb em Portugal acolheu mais de 2,6 milhões de visitantes em 2017

  • Lusa
  • 17 Abril 2018

Em 2017, mais de 2,6 milhões visitantes encontraram alojamento em Portugal através da plataforma. Estas visitas proporcionaram cerca de 4 mil euros, por 44 noites, ao "anfitrião típico".

A plataforma de alojamento Airbnb permitiu o alojamento em Portugal de mais de 2,6 milhões de visitantes em 2017, oriundos de mais de 150 países, proporcionando ao “anfitrião típico” cerca de 4.000 euros por 44 noites.

No âmbito do lançamento do novo escritório de Turismo Saudável da Airbnb, anunciado esta terça-feira em conferência telefónica internacional, a plataforma online revelou ainda que “455 mil pessoas viajaram de Portugal para outros destinos, criando ligações físicas através de diferentes fronteiras e culturas”.

“Portugal possui uma comunidade vibrante de anfitriões que sabe acolher viajantes de mais de 150 países nas suas casas e comunidades”, afirmou a plataforma de alojamento, indicando que “o anfitrião típico ganhou 4.096 euros alugando o seu alojamento durante 44 noites por ano, proporcionando uma renda significativa ao cidadão comum e às famílias”.

Os novos dados sobre o impacto da Airbnb revelam que, em todo o mundo, “há 4,85 milhões de anúncios na plataforma, em mais de 191 países”, verificando-se que “a grande maioria dos hóspedes afirma que escolheu a Airbnb porque pretende viver como um morador local (79%) e porque é mais prático do que os hotéis (89%)”.

Mais de metade dos hóspedes que utilizam a Airbnb a nível global (53%) referem que o dinheiro que economizaram usando a Airbnb foi gasto em empresas locais, enquanto quase metade dos gastos dos hóspedes (44%) é efetuado nas comunidades onde ficam alojados, espalhadas pelas cidades e não apenas nas zonas de hotéis e turísticas”, avançou a plataforma ‘online’ de alojamento.

Na perspetiva de Chris Lehane, responsável máximo de Políticas Globais e Comunicações da Airbnb, “com as viagens e o turismo a crescer mais rápido do que a maioria do resto da economia, é fundamental beneficiar o maior número possível de pessoas – e atualmente nem todo o turismo tem sido criado da mesma forma”.

“Para democratizar os benefícios das viagens, a Airbnb oferece uma alternativa saudável aos hábitos de viagens em massa que atormentam algumas cidades há décadas”, advogou Chris Lehane.

Neste sentido, a plataforma de alojamento lançou hoje o novo escritório de Turismo Saudável da Airbnb, “uma iniciativa para ajudar a impulsionar o turismo local, autêntico e sustentável em países e em cidades de todo o mundo”, através de parcerias, programas e eventos, direcionando as viagens para lugares menos conhecidos e apoiando hábitos de viagem ecológicos.

Em conferência telefónica, o responsável da Airbnb aproveitou ainda para saudar a constituição do primeiro Conselho Consultivo de Turismo da empresa, “composto por líderes e especialistas em políticas de turismo a nível global, que durante os seus anos de trabalho no setor têm definido muitos dos motes para as discussões sobre os temas mais importantes da indústria”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Airbnb em Portugal acolheu mais de 2,6 milhões de visitantes em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião