Elon Musk injeta na própria empresa de túneis mais de 100 milhões de dólares

A The Boring Company arrecadou 113 milhões de dólares numa ronda de investimento, dos quais mais de 90% do total vieram do próprio Elon Musk.

Quando Elon Musk anunciou que pretendia construir uma rede subterrânea de túneis por estar farto do trânsito de Los Angeles, nem todos acreditaram na viabilidade desta ideia. Após mostrar que foi capaz de levar essa ideia para a frente, a The Boring Company arrecadou esta semana um financiamento de 113 milhões de dólares, dos quais mais de 90% do total vieram do bolso do próprio Musk.

De acordo com um novo documento da SEC (Securities and Exchange Commission), a ronda de financiamento não contou com investidores externos, sendo que Elon Musk injetou na própria empresa de perfuração de túneis mais de 90% do total, o equivalente a mais de 100 milhões de dólares (80,9 milhões de euros), e o restante partiu de outros funcionários. No total, foram arrecadados 113 milhões de dólares (91,4 milhões de euros), de acordo com o Recode (conteúdo em inglês).

O ficheiro da SEC não afirmou diretamente que tenha sido Elon Musk a injetar esse valor, em vez disso referiu Jared Birchall, atual editor executivo. Birchall foi nomeado, alternativamente, CFO da Neuralink, uma startup fundada por Musk.

A The Boring Company representa a ambição do empreendedor em construir uma rede de túneis subterrâneos que ajudariam a aliviar o trânsito caótico que se vive em Los Angeles. Musk revelou pela primeira vez a ideia o ano passado, com a intenção de criar um veículo de transporte rápido de passageiros. Na altura, afirmou que apenas usava dois a 3% do seu tempo nessa nova empresa.

Isto é composto essencialmente por estagiários e as pessoas ocupam-se disto a tempo parcial“, disse, citado pelo Recode. “Compramos algumas máquinas em segunda mão. Mas estamos a fazer um bom progresso”. No início deste ano anunciou que a empresa se iria concentrar essencialmente no transporte público.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Elon Musk injeta na própria empresa de túneis mais de 100 milhões de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião