Centeno confirmou que entrada da SCML no Montepio “é um investimento de alto risco”, dizem PSD e CDS

  • Rita Atalaia
  • 19 Abril 2018

A direita afirma que Mário Centeno confirmou que a entrada da SCML no Montepio é "um investimento de risco". A esquerda critica negócio e pede esclarecimentos em relação à carteira da Santa Casa.

Mário Centeno admitiu que o Estado pode vir a apoiar o Montepio, em caso de necessidade. Para PSD e CDS, esta foi a confirmação de que a entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) no capital do banco da Associação Mutualista é “um investimento de risco”.

No plenário em que os partidos apresentaram projetos de resolução para impedir este negócio, mas cuja votação só será feita amanhã, a esquerda também não poupou críticas. Enquanto o Bloco de Esquerda quer esclarecimentos em relação à composição da carteira de investimentos, o PCP diz que esta entrada está a ser delineada por “figuras cuja idoneidade foi questionada”.

“Já não restam dúvidas. A entrevista [ao ministro das Finanças] deixou claro para todos: estamos perante um investimento de alto risco”, afirmou o deputado do PSD Duarte Pacheco, depois de os sociais-democratas terem apresentado um projeto de resolução no qual recomenda ao Governo que proíba a concretização da entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no capital social da Caixa Económica Montepio Geral. “A oposição a este negócio é geral”, notou Duarte Pacheco, pedindo que “todos assumam as suas responsabilidades”.

"Já não restam dúvidas. A entrevista [ao ministro das Finanças] deixou claro para todos: estamos perante um investimento de alto risco.”

Duarte Pacheco

Deputado do PSD

Em entrevista ao Jornal Negócios (acesso pago), o ministro das Finanças disse que “o garante último da estabilidade financeira é o Governo, e dentro do Governo o ministro das Finanças e, portanto”, tem de haver disponibilidade para ajudar a Associação Mutualista Montepio Geral.

Já Filipe Anacoreta Correia, deputado do CDS, disse que “os portugueses foram hoje surpreendidos pelas declarações do ministro das Finanças” em que assumiu: “Se formos chamados a ajudar o Montepio temos de estar disponíveis”. O deputado centrista acusa o Governo de “se furtar a prestar contas em relação a esta operação”.

Afinal quais são os investimentos da Santa Casa?

À esquerda também chovem críticas a este negócio, com o BE a questionar quais os investimentos que a Santa Casa tem em carteira. “A questão sobre a Santa Casa não é apenas o Montepio. É a carteira de investimentos. Como é que se regula, quais os limites, que montantes deve ter disponíveis?”, questionou Mariana Mortágua.

“Em 2012, entre fundos de investimento imobiliário, ações e ativos correntes, a SCML tinha 308 milhões. Em 2013 tinha 365 milhões, em 2014 tinha 477 milhões e em 2015 tinha 489 milhões”, referiu a deputada bloquista, salientando que a entidade aumentou os ativos disponíveis nos piores anos da crise. Mortágua pediu, por isso, ao Governo que reforce o escrutínio do papel da Santa Casa e recomendou um quadro legal de regras de aplicações de fundos da instituição. A esta proposta, o PS propõe encontrar-se uma matriz de risco e de diversificação de investimento.

Já o PCP criticou novamente o negócio “cujo racional não é totalmente percetível” e que está a ser delineado por “figuras cuja idoneidade foi questionada”, referiu Miguel Tiago. Contudo, o deputado comunista classificou as propostas de resolução do CDS e PSD de “oportunismo” e acusou os partidos de direita de estarem a usar este negócio como “arma de arremesso”. “Se Rui Rio não convence o porta-voz do partido, e provedor da Santa Casa da Misericórdia do Porto, a não entrar no Montepio como é que quer impedir o Governo?”, questionou, numa referência à opção de António Tavares, porta-voz de Rui Rio para a Solidariedade e Bem-Estar, membro do conselho estratégico nacional criado pelo novo presidente do PSD, e, em simultâneo, provedor da Santa Casa da Misericórdia do Porto e presidente da mesa da assembleia geral do Montepio.

De acordo com uma notícia avançada pelo Público (acesso condicionado), Santa Casa da Misericórdia do Porto vai entrar com dez mil euros no capital do Montepio, uma opção que choca com a oposição do PSD a esta compra.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno confirmou que entrada da SCML no Montepio “é um investimento de alto risco”, dizem PSD e CDS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião