Partex cai. Mas Montepio garante que negócio dos seguros com os chineses da CEFC se mantém

A Fundação Calouste Gulbenkian desistiu de vender a Partex à CEFC. Mas o Montepio ainda não deixou cair a venda do ramo segurador. Continuam os contactos com a Associação Mutualista e a ASF.

A venda do Montepio Seguros à CEFC China Energy continua de pé. Apesar de a Fundação Calouste Gulbenkian ter decidido pôr termo à negociação que decorria com os chineses da CEFC para a venda da Partex devido à “incapacidade desta empresa em esclarecer cabalmente” a sua situação, CEFC e Associação Mutualista garantem que continuam os contactos com vista à conclusão do negócio.

“A CEFC continua em contactos com a Associação Mutualista Montepio Geral e com a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões sobre o processo”, afirma fonte oficial da Associação Mutualista, dona do Montepio Seguros, ao ECO, quando questionada sobre o ponto de situação da operação no seguimento da desistência da Gulbenkian na venda da Partex aos chineses. Até agora, não foi possível obter uma resposta da ASF.

A Fundação Calouste Gulbenkian explicou, num comunicado, que “na sequência das notícias recentes vindas a público sobre a situação do grupo chinês e face à incapacidade desta empresa em as esclarecer cabalmente junto da Fundação, concluiu-se que não existem condições para continuar as conversações”. O ECO sabe que a Associação Mutualista também pediu esclarecimentos à CEFC. Porém, do lado chinês não tem surgido qualquer resposta, razão pela qual há agora muitas dúvidas de que o negócio vá mesmo para a frente.

As últimas informações conhecidas dão conta de que o presidente da CEFC China Energy, Ye Jianning, terá sido detido — houve mesmo uma delegação oficial da República Checa viajou à China em março para saber do seu paradeiro. Certo é que o também conselheiro económico do Presidente checo Milos Zeman, está ser investigado pelas autoridades chinesas por suspeita de crime e ia ser afastado do cargo. Por outro lado, a CEFC Europa, o ramo europeu deste conglomerado, anunciou a entrada do Governo chinês no seu capital.

Em fevereiro, a CEFC China Energy decidiu deixar em standby o negócio segurador do Montepio para dar total prioridade à compra da Partex, como avançou o ECO. Agora, afastada a possibilidade de comprar a petrolífera detida pela Fundação Calouste Gulbenkian, o grupo poderá focar-se apenas neste negócio. Caso este negócio também caia por terra, terá de ser a Associação Mutualista a injetar capital no ramo segurador do Montepio.

Em cima da mesa está um aumento de capital na Montepio Seguros no valor de 150 milhões, a ser totalmente subscrito pelo grupo chinês, que deverá passar a deter 60% daquela seguradora. Nestes termos, o negócio segurador da mutualista estaria avaliado em cerca de 250 milhões de euros, um valor acima daquele a que a Mutualista assume nas suas contas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Partex cai. Mas Montepio garante que negócio dos seguros com os chineses da CEFC se mantém

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião