Google reitera que não negociou contrapartidas na vinda para Oeiras

  • ECO
  • 20 Abril 2018

A Google vai instalar um centro de operações em Oeiras, que deverá abrir este verão. O responsável reiterou que não negociou contrapartidas com o Governo ou a autarquia para a instalação do pólo.

O diretor-geral da Google Portugal reitera que não foram negociadas contrapartidas com o Governo ou com a Câmara Municipal de Oeiras com vista à expansão das operações da empresa no país. “Isto é um investimento da Google, decidido 100% sob nossa responsabilidade, sem qualquer contrapartida. Tivemos várias conversas, mas nada em termos de contrapartidas”, afirmou Bernardo Correia, em entrevista ao jornal digital Observador.

O Governo anunciou no final de janeiro a instalação de um centro de serviços da gigante tecnológica no Lagoas Park, o qual deverá criar meio milhar de empregos qualificados, segundo a empresa. “Vamos abrir um centro de operações internacional em Oeiras. É um centro que vai trabalhar maioritariamente com empresas de tecnologia com as quais trabalhamos”, detalhou o gestor português na mesma entrevista, lembrando que esse centro está voltado para o mercado da Europa, Médio Oriente e África. Bernardo Correia avançou que o centro deverá abrir “no verão”, mas sem se comprometer com “uma data certa”.

Questionado sobre se ninguém vai ser diretamente contratado pela Google para este centro, o gestor afirmou que “sim”, mas disse que “não é bem ninguém”. “Há sempre uma equipa de apoio”, admitiu, frisando que estão em causa “empregos qualificados na área da tecnologia”. Sobre essas qualificações, Bernardo Correia disse que “empregos qualificados são empregos que têm necessidades de formação técnica elevada”, escusando-se a detalhar em que áreas a Google vai apostar ao nível da contratação.

Além do centro de operações que a Google Portugal vai instalar em Oeiras, o líder da empresa avançou que está a “olhar para novos espaços de escritórios em Lisboa”. Contudo, “ainda não há contratos fechados”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google reitera que não negociou contrapartidas na vinda para Oeiras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião